PrimeLife (Ano VI)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Presentes no Facebook

Presentes no Facebook

O Facebook lançou ontem o Facebook Gifts, um tipo de loja virtual para trocar presentes reais entre usuários da rede social. Entre os itens estão cartões de compra da rede Starbucks, doces e ursos de pelúcia.

O presenteado poderá escolher cor, sabor e o tamanho do presente que irá receber. O Facebook fica com uma parte do valor da operação.

O serviço está disponível apenas nos EUA.

Prime News

Gifts on Facebook

The Facebook yesterday launched the Facebook Gifts, a kind of virtual store for real exchange gifts among social network users. Among the items are purchased cards from Starbucks, candy and teddy bears.

The gifted can choose color, taste and size of the gift they will receive. Facebook takes a cut of the transaction value.

The service is only available in the U.S..

29/09/2012 Posted by | Internet | Deixe um comentário

Solução para viver mais

Solução para viver mais

O homem pode viver tanto quanto as mulheres. Basta ser eunuco

A natureza contemplou as mulheres com vantagens competitivas em relação aos homens. Uma delas, é a longevidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), elas vivem de seis a oito anos a mais que nós.

Não é nada desprezível. Mas uma recente pesquisa, feita pelos cientistas coreanos Kyung-Jin Min e Cheol-Koo Lee, desvenda esse mistério: o culpado por essa vida mais curta são os hormônios sexuais masculinos.

Os coreanos pesquisaram os arquivos genealógicos da corte imperial da dinastia Chosun (1392-1910) nos quais relata-se a idade de 81 eunucos. E a conclusão foi de que eles viveram entre 14 e 19 anos a mais do que os homens que não haviam castrados. Alguns deles chegaram a viver mais de 100 anos numa época em que era normal os homens da corte viverem só até os 40 anos, vitimados por doenças desconhecidas.

Eunucos eram homens submetidos à orquidectomia, procedimento que remove os testículos, tornando-os inférteis e impotentes. Assim, podiam ser guardiões dos haréns imperiais sem representar uma ameaça sexual às mulheres da corte. E de quebra, como concluiu a pesquisa, viviam bem mais.

Se o seu problema é a longevidade, eis aí a solução. É preciso fazer, digamos, um certo sacrifício para obter alguns anos a mais de vida.

Quem quiser, que seja o primeiro.

Alfa, magazine

Solution to live longer

Man can live as long as women. Just be eunuch

The nature contemplated women with competitive advantages in relation to men. One of them is longevity. According to the World Health Organization (WHO), they live six to eight years longer than us.

There is nothing to sneeze at. But a recent poll, conducted by scientists Korean Kyung-Jin Min and Cheol-Koo Lee, unveils this mystery: the culprit for this shorter life are the male sex hormones.

The Koreans researched the genealogical files of the imperial court of the Chosun Dynasty (1392-1910) in which it is reported the age of 81 eunuchs. And the conclusion was that they lived between 14 and 19 years longer than men who had not castrated. Some of them came to live more than 100 years at a time when it was normal males court only live until age 40, victims of unknown diseases.

Eunuchs were men who underwent orchiectomy, a procedure that removes the testicles, making them impotent and infertile. Thus could be the guardians of imperial harems without posing a threat to women’s sexual courtship. And to boot, as the survey found, lived much more.

If your problem is longevity, here is the solution. You need to make, say, a certain sacrifice for a few more years of life.

Whoever wants to, that is the first.

28/09/2012 Posted by | Saúde | 2 Comentários

Mulher inteligente

Mulher inteligente

“Mulher inteligente não usa o corpo, usa a mente. Não precisa de roupas curtas, falar alto, ficar bêbada e dançar até cair. Não se desrespeita, não abre mão de si e nem de seus princípios para prender alguém. Sabe que sua beleza é apenas reflexo de todo seu conteúdo e de todo o seu eu. Sabe a diferença entre ser vulgar e ser sensual. Sabe o que falar. Sabe deixar saudades e que sua presença seja notada, não porque seu corpo está à mostra, mas porque tem presença, é decidida e sabe o que quer e o que merece”

Anônimo

Intelligent woman

“Smart woman does not use the body, the mind uses. No need for short clothes, speak up, get drunk and dance till you drop. Do not be disrespectful, does not give him and his principles nor to arrest someone. You know that your beauty is just a reflection of all its contents and its whole self. Do you know the difference between being ordinary and being sensual. You know what they say. Be missed and know that his presence known, not because your body is on display, but because it has presence, is determined and knows what she wants and deserves”

28/09/2012 Posted by | Pensamentos, Reflexões | 2 Comentários

Um tapinha dói?

Um tapinha dói?

Todo mundo já deve ter ouvido falar que “entre quatro paredes vale tudo”, certo?

Certíssimo, pois cada um de nós tem as suas tendências, as suas fantasias eróticas e as suas formas próprias de obter o tão desejado prazer sexual. No que toca ao sexo somos movidos por interesses, desejos e motivações diferentes, que nada têm a ver com o estatuto social, cultural ou econômico e dão origem a comportamentos e preferências sexuais também muito distintas. De fato, existem pessoas que gostam de fugir do tradicional e buscam o prazer das mais diversas formas possíveis.

Por isso não é de se estranhar que nem todos consigam obter satisfação sexual através de uma conduta terna ou simplesmente erótica, pois para algumas pessoas o prazer vem daquilo a que muitos entendem ser um comportamento perverso. O Sadomasoquismo.

Algemas, roupa de couro, chicotes, látex, velas, como tortura, perversão, crueldade, maldade ou violência, são palavras facilmente associadas ao sadomasoquismo – uma prática considerada normal para uns, mas escandalosa e bizarra para outros. O tema central dessa fantasia ao contrário do que possa parecer, não é a violência explícita. O que está em jogo são questões de poder, de domínio, utilizado na obtenção do prazer, quer seja sexual ou em outros relacionamentos sociais.

A origem do termo sadomasoquismo vem da relação entre duas tendências opostas: o sadismo e o masoquismo. O primeiro revela a busca de prazer em atos que façam com que o parceiro sofra. O sádico seria, portanto, o dominador. Por outro lado, o masoquismo leva a pessoa a sentir prazer quando recebe sofrimento físico e moral dos outros. Ou seja, masoquista é aquele que gosta de ser dominado.

Assim, os adeptos desta prática dividem-se em dois grupos. Os dominadores, que obtém um prazer incalculável infligindo dor aos outros e do outro lado os submissos, que assumem o papel passivo e que só atingem o auge da excitação quando são mal tratados.

O tema é polêmico e cercado de preconceito. Mesmo quem gosta de um sexo mais violento, se culpa e não quer assumir a fantasia. Mas para evitar situações constrangedoras, é essencial que os parceiros tenham intimidade para conversar e debater sobre o assunto.

Tapinhas à parte, essa história deixa as pessoas de cara feia e cabelo em pé, porque é logo associada à ideia de sadomasoquismo, uma prática que talvez tenha sido mal batizada. Mas para dominar ou submeter uma pessoa, existem muitos caminhos. Pode-se torturar uma pessoa de várias maneiras. Pense em você, amarrada numa cama, com lençóis macios de seda branca, com um homem passando uma pena de pavão nas mais escondidas dobrinhas, nas costas, no pescoço. Isso é tortura também. Deliciosa, diga-se de passagem!

Os praticantes de SM praticam sexo consensual, seguro e em nenhum momento há risco de vida. Ao contrário do que se pensa, não é a dor que os atrai, mas a sensação de poder (ativos) ou a ausência dele (passivos). É tamanha a confiança no parceiro que voluntariamente, você abre mão de suas capacidades e entrega seu corpo à completa vontade do outro. As sensações são elevadas a uma potência inimaginável, onde não mais se tem qualquer controle! Isso é o principal elemento de excitação dos adeptos a esta técnica e não é, de forma alguma, um tipo de autoflagelo ou punição, mas a busca de um prazer maior, uma prova de desligamento material, um nível de confiança que muitos de nós nunca conseguiríamos ter.

E para quem não sabe ou se interessou pelo assunto, este tipo de prática pode assumir duas vertentes, mais ou menos agressivas.

Existe o sadomasoquismo light (mais leve), que inclui humilhações físicas, verbais e morais. É o mais comum para quem está “começando”. E existe também o mais “pesado” (heavy) ou cruel, em que os parceiros não se contentam apenas com as humilhações, partindo para a extrema violência física – que pode soar estranho aos ouvidos de quem não está acostumado. Mas uma coisa é verdade, os praticantes deste tipo mais “pesado” ganham ao longo do tempo uma enorme tolerância à dor, e a partir daí quanto maior o tapa, maior o prazer. Aqui literalmente, um tapinha não dói!

Mas todo cuidado é pouco. Como tudo em excesso não faz bem, o sadomasoquismo também não. Ele pode, sim, ser considerado um transtorno caso os parceiros não encontrem outros meios de sentir prazer. O casal não pode se tornar refém e virar, literalmente, prisioneiro deste ato. O gostoso é praticar uma vez ou outra, para ter variações legais e interessantes na hora do sexo. Tem que servir como um complemento ou opção para exercer sua sexualidade, não é apenas um simples “gostar de bater” ou “gostar de apanhar”.

Por exemplo, se você passar a perna em alguém na rua, talvez apanhe bastante e não quer dizer que vá voltar para casa feliz, certo? O SM tem regras, limites, consensualidade, segurança física e psicológica, quando praticado por pessoas que o conhecem profundamente. Não existe prazer na dor se isso não vier acompanhado de situações psicológicas bem planejadas.

De A a Z, um tapinha pode causar diversas sensações. Tudo vai depender da intensidade com que ele é dado e da sensibilidade de quem recebe. A definição é pessoal, mas descobri-la é algo para ser feito pelos envolvidos.

E tenha em mente que antes de sair por aí aos socos e pontapés, procure conhecer muito bem seu parceiro, para não correr o risco de causar espanto, ao invés de excitação.

O objetivo aqui é sentir prazer! Essa é a condição essencial para que o sexo não perca o sentido.

E lembre-se: abaixo o preconceito.

Details, magazine

A pat hurts?

Everyone has probably heard that “anything goes between four walls,” right?

Quite right, because each of us has their tendencies, their erotic fantasies and their own ways of obtaining the desired sexual pleasure. When it comes to sex we are moved by interests, desires and different motivations that have nothing to do with social status, cultural or economic, and give rise to behaviors and sexual preferences also very distinct. In fact, there are people who like to get away from the traditional and seek pleasure in many different ways possible.

Therefore it is not surprising that not everyone can get sexual satisfaction through a conduit tender or simply erotic, because for some people the pleasure comes from what many perceive to be perverse behavior. The Sadomasochism.

Handcuffs, leather clothing, whips, latex, sails, as torture, perversion, cruelty, meanness or violence, are words easily associated with sadomasochism – a practice considered normal for some, but for others outrageous and bizarre. The central theme of this fantasy unlike what it may seem, is not the explicit violence. What is at stake are issues of power, domination, used to obtain pleasure, whether sexual or other social relationships.

The origin of the term sadomasochism is the relationship between two opposing tendencies: sadism and masochism. The first reveals the pursuit of pleasure in acts that make your partner suffer. The sadist would therefore be the dominator. On the other hand, masochism leads a person to feel pleasure when receiving physical and moral suffering of others. Ie masochist is one who likes to be dominated.

Thus, fans of this practice are divided into two groups. The rulers, who gets an incalculable pleasure inflicting pain to others and across the meek, who assume the passive role and only reach the pinnacle of excitement when they are treated badly.

The subject is controversial and surrounded by prejudice. Even those who like a more violent sex, blame yourself and do not want to take the fantasy. But to avoid embarrassing situations, it is essential that the partners have privacy to talk and discuss about it.

Spanking aside, this story makes people ugly face and hair standing up, just because it is associated with the idea of ​​sadomasochism, a practice that may have been badly dubbed. But to dominate or submit a person, there are many paths. It can agonize a person in various ways. Think you tied a bed with soft sheets of white silk, with a man passing a peacock feather in the most hidden folds, back, neck. This is also torture. Delicious tell by the way!

The SM practitioners have sex consensual, safe and in no time there are life-threatening. Contrary to popular belief, is not the pain that attracts them, but the sense of power (active) or the absence of it (liabilities). It is such confidence in the partner voluntarily, you waive your capabilities and your body to complete delivery will of another. The sensations are raised to a power unimaginable, which no longer has any control! This is the main element of excitement to the fans and this technique is not, in any way, a kind of flogging or punishment, but the pursuit of a greater pleasure, proof of termination material, a level of trust that many of us never we could Tues

And for those who do not know or are interested in the subject, this kind of practice can take two strands, more or less aggressive.

There sadomasochism light (lighter), which includes physical humiliation, verbal and moral. It is most common for those who are “starting”. And there is also the most “heavy” (heavy) or cruel, in which the partners are not content with just the humiliation, leaving for extreme physical violence – which may sound strange to those who are not accustomed to. But one thing is true, the practitioners of this type more “heavy” gain over time a huge pain tolerance, and from there the larger the patch, the greater the pleasure. Here literally a slap does not hurt!

But never be too careful. Like everything in excess is not good, not too sadomasochism. It can indeed be considered a disorder if the partners do not find other ways to feel pleasure. The couple can not become hostage and turn, literally, a prisoner of this act. The practice is tasty one time or another, to have cool and interesting variations during sex. It has to serve as an adjunct or option to exercise their sexuality is not just a simple “hit like” or “love to catch.”

For example, if you outmaneuver someone in the street, and maybe take a lot does not mean you go back home happy, right? The SM has rules, boundaries, consensus, physical and psychological safety, when practiced by people who know him deeply. There is pleasure in pain if it did not come with psychological situations thoughtful.

From A to Z, a pat can cause various sensations. Everything will depend on the intensity with which it is given and the sensitivity of the receiver. The definition is personal, but discover it is something to be done by those involved.

And keep in mind that before you go out to punches and kicks, get to know your partner very well, not to run the risk of causing terror, rather than excitement.

The goal here is to feel pleasure! This is the prerequisite for sex do not miss the meaning.

And remember: below prejudice.

28/09/2012 Posted by | Sexo | Deixe um comentário

Falta homem?

Falta homem?

Pesquisando mulheres de mais de 40 anos, brasileiras e alemãs, observei diferenças interessantes. Enquanto as alemãs se mostram focadas na realização profissional e em atividades intelectuais, as brasileiras enfatizam a importância de ter marido e filhos e reclamam muito da “falta de homem no mercado”.

É curioso observar que, mesmo entre mulheres muito bem-sucedidas, as brasileiras que se dizem mais satisfeitas são as casadas.

O que elas mais valorizam é ter um marido fiel. Dizem que os maridos ligam inúmeras vezes por dia para perguntar coisas bobas, que ficam deprimidos quando elas viajam e que eles são completamente dependentes delas. Afirmam coisas como: “Ele precisa muito de mim”; “Ele não sabe ficar sozinho”; “Ele gosta que eu cuide dele”; “Ele cobra o tempo todo a minha atenção” e “Ele sente muito ciúme de mim”.

Em um dos grupos de discussão que realizei, uma mulher jovem, magra e bonita confessou sentir inveja de outra pesquisada. “Tive e continuo tendo muitos namorados e amantes, mas não consigo ter um companheiro. Senti inveja quando você falou do seu marido porque eu nunca consegui ter um relacionamento longo e fiel.”

A outra respondeu: “Meu marido diz que me ama e me deseja mesmo gordinha e com cabelos brancos. Tenho certeza de que ele sempre foi fiel. Nossa vida sexual é muito gostosa e ele diz que não sabe viver sem mim. Com ele, mesmo depois de 30 anos de casamento, ainda me sinto a mulher mais gostosa do planeta”.

Ter um marido é um verdadeiro capital para muitas brasileiras. Em um mercado afetivo e sexual em que os homens disponíveis, interessantes e fiéis são considerados “artigos de luxo”, muitas brasileiras acreditam ser triplamente vitoriosas: por terem um casamento duradouro, por se sentirem reconhecidas pelo marido e, principalmente, por acreditarem que são únicas para eles.

Muitas brasileiras que pesquisei disseram se sentir fracassadas ou infelizes por não conseguirem ter (ou manter) o capital marital. No entanto, as alemãs (e também algumas brasileiras) preferem investir em outras formas de realização pessoal (trabalho, educação, amizade etc.).

Qual será o melhor investimento para uma vida feliz?

Mirian Goldenberg, antropóloga

Missing man?

Researching women over 40 years, Brazilian and German, I noticed interesting differences. While the German show is focused on professional achievement and intellectual activities, the Brazilian emphasize the importance of having a husband and children and complain a lot of “no man in the market.”

It is curious to note that even among women very successful, the Brazilian who say they are happier married.

What they value most is having a faithful husband. They say their husbands bind numerous times a day to ask silly things that get depressed when they travel and they are completely dependent on them. They claim things like: “He needs a lot of me,” “He does not know to be alone”; “He likes me to take care of him”, “He charges all the time my attention” and “He feels very jealous of me.”

In one of the discussion groups that I conducted, a young, thin and beautiful confessed to feeling envious of another search. “I have had and continue to have many boyfriends and lovers, but I can not have a mate. Felt jealous when you told your husband because I never got to have a long and faithful.”

The other replied: “My husband says he loves me and wants me chubby and even with white hair. I’m sure that he was always faithful. Our sex life is very tasty and he says he does not know how to live without me. With him, even after 30 years of marriage, I am still the hottest woman on the planet. ”

Having a husband is a real capital for many Brazilians. In a market in which affective and sexual men available, interesting and believers are considered “luxury items,” many believe to be Brazilian triply victorious: for having a lasting marriage, because they feel recognized by husband and mainly because they believe are Unique to them.

Many Brazilian researched said they felt unhappy or unsuccessful because they can´t have (or keep) the marital capital. However, the German (and also some Brazilian) prefer to invest in other forms of personal achievement (work, education, friendship, etc.)..

What will be the best investment for a happy life?

28/09/2012 Posted by | Artigos | 2 Comentários

Tim Maia

Nesta data, em 1942, nascia no Rio de Janeiro,  Sebastião Rodrigues Maia, popularmente conhecido com Tim Maia.

Tim Maia foi um cantor, compositor, produtor, maestro, guitarrista, baterista, multi-instrumentista e empresário brasileiro, um dos pioneiros na introdução do estilo soul na MPB, e um dos maiores ícones da música no Brasil.

Suas músicas eram marcadas pela rouquidão de sua voz, sempre grave e carregada, conquistando grande vendagem e consagrando muitos sucessos.

Nasceu e cresceu no Rio de Janeiro, onde em sua infância já teve contato com pessoas que viriam a ser grandes cantores, como Jorge Benjor e Erasmo Carlos.

Em 1957, integrou o grupo The Sputiniks onde cantou junto a Roberto Carlos.

Em 1959 emigrou para os Estados Unidos, onde teve seus primeiros contatos com o soul, vindo a ser preso e deportado por roubo e porte de drogas.

Em 1970, gravou seu primeiro LP “Tim Maia”, que rapiddamente tornou-se um sucesso país afora com músicas com “Azul da cor do mar” e “Primavera”. Nos três anos seguintes, lançou os discos Tim Maia (volume 2,3 e 4), fazendo sucesso com “Não quero dinheiro” e “Gostava tanto de você”.

De 1975 a 1977, aderiu a doutrina Cultura Racional lançando neste período “Que Beleza” e “Rodésia”. Pela decadência de suas músicas “racionais”, desiludiu-se com a doutrina e voltou ao seu estilo de música, lançando sucessos com “Descobridor dos Setes Mares” e “Me Dê Motivo”.

Em 1988, venceu o Prêmio Sharp na categoria “Melhor Cantor”.

É amplo seu legado à história da música brasileira, tendo inaugurado um estilo que futuramente viria a ser cantado por diversos artistas, como seu sobrinho Ed Motta. A revista Rolling Stone classificou Tim Maia como o 9º maior artista da música brasileira.

Vamos relembrar um dos seus sucessos:”http://www.youtube.com/embed/7T4gzCpQKgg

28/09/2012 Posted by | Lembranças do Dia | Deixe um comentário

Estar junto

Estar junto

“Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro.”

Leonardo da Vinci

To be together

“To be together no need to be close, but on the inside.”

27/09/2012 Posted by | Pensamentos | 2 Comentários

Como as mulheres mexem com a cabeça dos homens

Como as mulheres mexem com a cabeça dos homens

Basta dizer a eles que estão sendo observados por uma desconhecida para que seu desempenho cognitivo seja prejudicado.

Romances, filmes e roteiros para televisão estão repletos de cenas em que um rapaz procura inutilmente interagir com uma jovem bonita. Em muitos casos, o conquistador em potencial acaba fazendo algo tolo em suas incansáveis tentativas de impressionar a moça. É como se o cérebro do homem, de repente, não estivesse funcionando direito. E segundo uma pesquisa recente é exatamente o que acontece.

Há algum tempo, pesquisadores começaram a investigar como a interação com representantes do sexo oposto afetava aspectos cognitivos dos homens. Um estudo de 2009 demonstrou que após breve contato com uma mulher atraente os homens experimentam um declínio momentâneo do desempenho mental.

Para compreender por que isso ocorre, a pesquisadora Sanne Nauts e seus colegas da Universidade Radboud de Nijmegen, na Holanda, realizaram dois experimentos com a participação de estudantes universitários de ambos os sexos.

No primeiro, avaliaram seu desempenho cognitivo aplicando um teste de Stroop. Desenvolvido em 1935 pelo psicólogo Ridley Stroop, o instrumento é usado para avaliar a capacidade de elaborar informações que competem entre si.

O teste consiste em mostrar uma série de nomes impressos em cores diferentes. Por exemplo, “azul” pode estar impresso em verde, “vermelho” em laranja, e assim por diante. Os participantes devem nomear, o mais rápido possível, as cores nas quais as palavras estão escritas. O teste é cognitivamente exigente e quando as pessoas estão mentalmente cansadas, tendem a completar essa tarefa de modo mais lento.

No estudo de Sanne Nauts, após terem completado o teste de Stroop os voluntários realizaram outra prova, apresentada como dissociada da anterior.

Os pesquisadores pediram aos universitários que lessem em voz alta uma série de palavras em holandês diante de uma webcam. Os cientistas explicaram que durante a “tarefa de leitura labial” um observador – ao qual era atribuído um nome qualquer, masculino ou feminino – estaria acompanhando o desempenho dos participantes através de uma câmera. Os voluntários não interagiam de modo algum com essa pessoa, que não era identificada nem por fotografia. Tudo que sabiam – sobre ele ou ela – era o nome.

Logo depois de concluírem a leitura, os participantes foram submetidos a outro teste de Stroop. O desempenho das mulheres nessa segunda avaliação foi muito semelhante ao do primeiro, não importando o sexo do misterioso observador. Mas, entre os homens que julgaram ter sido observados por uma mulher, o desempenho foi pior nesse segundo teste. E essa deterioração cognitiva ocorreu independentemente de eles terem interagido com a suposta observadora.

Numa segunda etapa da pesquisa, Sanne Nauts e seus colegas iniciaram novamente o experimento aplicando o teste de Stroop em voluntários que haviam sido levados a pensar que precisariam fazer uma leitura em voz alta, como no primeiro experimento – na verdade, porém, eles nem sequer chegaram a realizar essa atividade; o importante era que acreditassem que teriam de cumpri-la. Metade dos voluntários foi induzida a crer que seria observada por um homem, e a outra parte, por uma mulher. Em seguida, todos foram convidados a realizar outro teste de Stroop.

Mais uma vez, o desempenho das mulheres não apresentou diferença, independentemente do gênero do suposto observador. Já entre os rapazes, aqueles que acharam que seriam acompanhados por uma mulher tiveram desempenho significativamente pior no segundo teste.

Enfim, parece evidente que, quando nos encontramos em situações nas quais nos sentimos inseguros, intimidados ou estamos particularmente preocupados com a impressão que causaremos, podemos ter dificuldades concretas para raciocinar claramente.

No caso dos homens, o simples fato de pensar em interagir com uma mulher seria suficiente para ofuscar um pouco o cérebro. Se ela for bonita, então, “pior” ainda.

Daisy Grewal, psicóloga

How women mess with the minds of men

Just tell them they are being watched by an unknown so that their cognitive performance is impaired.

Novels, screenplays for movies and television are full of scenes in which a young man seeks vainly interact with a pretty girl. In many cases, the conqueror potential ends up doing something foolish in their relentless attempts to impress the girl. It’s as if the man’s brain suddenly not working right. And according to a recent survey is exactly what happens.

For some time, researchers have begun to investigate how the interaction with representatives of the opposite sex affected cognitive aspects of men. A 2009 study showed that after brief contact with an attractive woman, men experience a decline in mental performance momentary.

To understand why this occurs, the researcher Sanne Nauts and colleagues at Radboud University Nijmegen in the Netherlands, conducted two experiments involving college students of both sexes.

At first we evaluated their performance by applying a cognitive Stroop test. Developed in 1935 by psychologist Ridley Stroop, the instrument is used to assess the ability to produce information that compete.

The test consists of a series of show names printed in different colors. For example, “blue” can be printed in green, “yellow” in orange, and so on. Participants must appoint, as soon as possible, the colors in which the words are written. The test is cognitively demanding and when people are mentally tired, tend to complete this task more slowly.

In the study by Sanne Nauts, after completing the Stroop test volunteers conducted another test, presented as decoupled from above.

The researchers asked college students to read aloud a series of words in Dutch front of a webcam. Scientists explained that during “lipreading task of” an observer – which was given a name anyone, male or female – would be watching the performance of the participants through a camera. The volunteers did not interact in any way with this person, who was not identified, nor for photography. All they knew – about him or her – was the name.

Soon after completing the reading, participants underwent another Stroop test. The performance of women in this second evaluation was very similar to the first, no matter the sex of the mysterious observer. But among men who thought they had been seen by a woman, the performance was worse in this second test. And that cognitive deterioration occurred regardless of whether they have interacted with the supposed observer.

In a second stage of the research, Sanne Nauts and his colleagues began the experiment again applying the Stroop test in volunteers who had been led to believe they would need to do a read aloud, as in the first experiment – in fact, however, they do not even came to perform this activity, the important thing was that they believed they would have to fulfill it. Half the volunteers were induced to believe that would be observed by a man, and the other part, by a woman. Then all were asked to perform another Stroop test.

Again, the performance of women did not differ, regardless of the gender of the alleged observer. Among boys, those who thought they would be accompanied by a woman had performed significantly worse on the second test.

Anyway, it seems clear that when we find ourselves in situations where we feel insecure, intimidated or are particularly concerned about the impression it will cause, we can have real difficulties to reason clearly.

For men, the simple fact of thinking in interacting with a woman would be enough to overshadow a little brain. If she is beautiful, then “worse” yet

27/09/2012 Posted by | Comportamento | Deixe um comentário

Nascente x Correnteza

“Quem quiser chegar à nascente, tem que nadar contra a correnteza.”
Provérbio Chinês

26/09/2012 Posted by | Provérbios | Deixe um comentário

Alimentos que ajudam manter o equilíbrio emocional

Alimentos que ajudam manter o equilíbrio emocional

Banana: contra a ansiedade

Se você anda mais ansiosa que o normal, aposte na banana para elevar os níveis de serotonina.

Quando os níveis desse neurotransmissor estão baixos, falha a comunicação entre as células cerebrais.

Aí você fica irritada e especialmente ansiosa.

A fruta combina doses importantes de triptofano e vitamina B6.

Juntas, as duas substâncias se tornam poderosíssimas na produção da serotonina.

Quanto consumir: 2 unidades por dia

Mel: pura alegria

Triste sem motivo? De novo a causa pode ser a serotonina de menos.

Nesse caso, o mel funciona como um calmante natural, pois aumenta a eficiência da serotonina no cérebro.

Mas não é só aí que ele atua.

Quando alcança o intestino, ajuda a regenerar a microflora intestinal.

Resultado: o ambiente se torna mais propício para a produção de serotonina. Surpresa?

Pois é, cerca de 90% do neurotransmissor do bom humor é produzido no intestino.

Quanto consumir: 1colher (sopa) / dia.

Abacate: amigo do sono

Dormir é tão importante para viver bem quanto comer direito e fazer exercícios. Tem noite que o sono não vem?

Põe fé no abacate.

Tudo bem, ele tem gordura, mas é boa.

E oferece vitaminas que ajudam você a se entender melhor o travesseiro.

A vitamina B3 equilibra os hormônios que regulam as substâncias químicas cerebrais responsáveis pelo sono.

Já o ácido fólico funciona como se fosse uma enzima, alimentando os neurotransmissores que fazem você dormir bem.

Quanto consumir: 1 abacate pequeno, 3x / semana.

Salmão: levanta o astral

Mau humor constante pode ser sinal de falta de ômega 3 no prato. O representante oficial dessa gordura amiga é o salmão.

Mas existem outros peixes (atum, arenque e sardinha) que jogam seu astral lá para cima.

O ômega 3 melhora o ânimo porque aumenta os níveis de serotonina, dopamina e noradrenalina – substâncias responsáveis pela sensação de bem-estar.

Estudos também comprovam que este ácido graxo tira os radicais livres de cena e assim protege o sistema nervoso central.

Quanto consumir: 1 porção, 3x / semana.

Lentilha: afasta o medo

Angústia e medo podem estar relacionados ao desequilíbrio de cálcio e magnésio.

Essa dupla atua no balanceamento das sensações.

Além de incluir alimentos com cálcio (queijo e iogurte) e magnésio (acelga) na dieta, consuma mais lentilha.

Ela tem efeito ansiolítico, ou seja, traquiliza e conforta. Isso porque é precursora da gaba, neurotransmissor que também interfere nos sentimentos.

Quanto consumir: 3 conchas pequenas / semana.

Nozes: mantém você concentrada

São muitos os nutrientes das nozes.

Mas é a vitamina B1 a responsável por essa fruta oleaginosa melhorar a concentração, pois a B1 imita a acetilcolina, neurotransmissor envolvido em funções cerebrais relacionadas à memória.

Quanto consumir: 2 nozes, 4x / semana.

Chá verde: espanta o estresse

Essa erva, a Camellia sinensis, tem fitoquímicos (polifenóis e catequinas) capazes de neutralizar as substâncias oxidantes presentes no organismo que, em excesso, deixam você cansada e estressada e acabam desorganizando o funcionamento do organismo.

O estresse é capaz de desencadear a síndrome metabólica, culpada por doenças como a obesidade e a depressão.

Beber chá verde, conforme alguns estudos, melhora a digestão e deixa a mente lenta.

Quanto consumir: 4 a 6 xícaras (chá) / dia.

Brócolis: deixa a mente esperta

É comum você demorar alguns segundos para lembrar o número do seu telefone? Este alimento é rico em ácido fólico, acelera o processamento de informação nas células do cérebro, consequentemente, melhorando a memória.

Porções extras desta verdura vão fazer você se lembrar de tudo rapidinho.

Quanto consumir: 1 pires / dia.

Clorela: controla a preocupação

Comportamento obsessivo pode ser sinal de que as células do organismo estão desvitalizadas.

A alga clorela funciona como um poderosíssimo reparador celular, melhorando as funções fisiológicas e o sistema imunológico.

E mais: contém vitaminas (B3, B6, B12 e E) e minerais (cálcio, magnésio e fósforo) e aminoácidos (triptofano) que ajudam a estabilizar os circuitos nervosos, acabando com a aflição e aumentando a sensação de conforto.

Quanto consumir: de 2 a 4g / dia (cápsula)

Óleo de linhaça: dribla o apetite voraz

O óleo extraído da semente de linhaça e prensado à frio é uma fonte vegetal riquíssima em gordura ômega 3, 6 e 9.

Melhor: é um dos poucos alimentos com ômega numa proporção próxima do ideal, o que é imprescindível para que exerça suas funções benéficas.

Uma delas é regular os hormônios que ajudam a manter o sistema nervoso saudável.

Com isso, a ansiedade perde espaço e a compulsão à comida fica bem menor.

Quanto consumir: 1colher (sobremesa) / dia, antes das refeições principais.

Gérmen de trigo: acaba com a irritação

Assim como as nozes, o gérmen de trigo tem vitamina B1 e inositol, que reforçam a concentração.

Mas por ter uma boa dose de vitamina B5, o gérmen é especialmente indicado como calmante, já que melhora a qualidade de impulsos nervosos, evitando nervosismo e irritabilidade.

Quanto consumir: 2 colheres (chá) / dia.

Tofu: espanta o desânimo

O queijo de soja tem o dobro de proteínas do feijão e uma boa dose de cálcio.

Também é rico em magnésio que ajuda (evitar o enfraquecimento das enzimas que participam de produção de energia) e ferro (combate a anemia).

Quando estes minerais estão em baixa no organismo, você se sente fraca e sem ânimo.

Mas é a colina, substância que protege a membrana das células cerebrais, que dá ao tofu o poder de acabar com o cansaço mental.

Quanto consumir: 1 fatia média / dia.

Dr. Luiz Carvalho, Nutrólogo e Nutricionista

Foods that help maintain emotional balance

Banana: against anxiety

If you walk more anxious than usual, wager on the banana to raise serotonin levels.

When this neurotransmitter levels are low, fault communication between brain cells.

Then you get angry and anxious especially.

The fruit combines important doses of tryptophan and vitamin B6.

Together, the two substances become very powerful in the production of serotonin.

How to consume: 2 units per day

Mel: pure joy

Sad for no reason? Again the question may be less serotonin.

In this case, honey acts as a natural sedative, because it increases the efficiency of serotonin in the brain.

But that’s not where it operates.

When it reaches the intestines, helps regenerate the intestinal microflora.

Result: the environment becomes more conducive for the production of serotonin. Surprise?

It is about 90% of neurotransmitter humor is produced in the intestine.

How to consume: 1colher (soup) / day.

Avocado: Friend Sleep

Sleep is so important to live well as eating right and exercising. Has not sleep that night comes?

Put faith in avocado.

Okay, he’s fat, but it’s good.

And offers vitamins that help you better understand the pillow.

Vitamin B3 balances hormones that regulate the brain chemicals responsible for sleep.

Have folic acid works like an enzyme, feeding the neurotransmitters that make you sleep well.

How to consume: 1 small avocado, 3x / week.

Salmon: lifts the mood

Constant bad mood may signal a lack of omega 3 in the dish. The official representative of this fat friend is salmon.

But there are other fish (tuna, herring and sardines) playing his astral upstairs.

The omega 3 improves morale because it increases levels of serotonin, dopamine and norepinephrine – chemicals responsible for feelings of well-being.

Studies also show that this fatty acid free radicals strip scene and thus protects the central nervous system.

How to consume: 1 serving, 3x / week.

Lentil: casts out fear

Anxiety and fear may be related to an imbalance of calcium and magnesium.

This double act in balancing the sensations.

Besides including foods with calcium (cheese and yogurt) and magnesium (spinach) in the diet, eat more lentils.

It has anxiolytic effect, ie traquiliza and comfort. This is because the precursor of GABA, a neurotransmitter that also interferes with feelings.

How to consume: 3 small shells / week.

Walnuts: keeps you focused

Many nutrients nuts.

But vitamin B1 is responsible for this fruit oilseed improve concentration, because the B1 mimics acetylcholine, a neurotransmitter involved in memory-related brain functions.

How to consume: 2 nuts, 4x / week.

Green Tea: amazes stress

This herb, the Camellia sinensis, has phytochemicals (polyphenols and catechins) able to neutralize the oxidants present in the body that, in excess, leaving you tired and stressed and end up disrupting the functioning of the body.

Stress can trigger metabolic syndrome, blamed for diseases like obesity and depression.

Drinking green tea, according to some studies, improves digestion and makes the mind slow.

How to consume: 4-6 cups (tea) / day.

Broccoli: let the clever mind

Often you take a few seconds to remember the number of your phone? This food is rich in folic acid accelerates the information processing in the brain cells thus improving memory.

Portions of this extra vegetables will make you remember everything quickly.

How to consume: 1 saucer / day.

Chlorella: controls concern

Obsessive behavior can be a sign that the body’s cells are devitalized.

The alga Chlorella acts as a powerful reparative cell, improving the physiological functions and the immune system.

Plus, contains vitamins (B3, B6, B12 and E) and minerals (calcium, magnesium and phosphorus) and amino acids (tryptophan) that help stabilize neural circuits, ending the distress and increasing the feeling of comfort.

As consume: 2 to 4 g / day (capsule)

Flaxseed oil: dribbles the voracious appetite

The oil extracted from flaxseed and cold-pressed is a source of vegetable fat rich in omega 3, 6 and 9.

Top: is one of the few foods with omega a ratio close to the ideal, which is essential to exert its beneficial functions.

One is to regulate hormones that help maintain a healthy nervous system.

Thus, anxiety and compulsion loses space to food is much lower.

How to consume: 1colher (dessert) / day, before main meals.

Wheat germ: removes the irritation

Like walnuts, wheat germ have Vitamin B1 and inositol, which enhance concentration.

But to have a good dose of vitamin B5, the germ is particularly suitable as soothing as it improves the quality of nerve impulses, avoiding nervousness and irritability.

How to consume: 2 teaspoons (tsp) / day.

Tofu: amazes discouragement

Soy cheese has twice the protein of beans and a good dose of calcium.

It is also rich in magnesium that helps (prevent weakening of enzymes involved in energy production) and iron (to combat anemia).

When these minerals are low in the body, you feel weak and listless.

But the hill is, a substance that protects the membrane of brain cells, which gives a tofu power to end the mental fatigue.

How to consume: 1 medium slice / day.

26/09/2012 Posted by | Bem Estar, Saúde | Deixe um comentário