PrimeLife (Ano VI)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Valoriza e Respeita

chico xavier 2Na data de falecimento de Chico Xavier um pensamento.

“Valoriza os amigos. Respeita os adversários.”

Chico Xavier

The date of death of Chico Xavier thought.
Valued friends. Respect the opponents. “

30/06/2013 Posted by | Lembranças do Dia, Pensamentos | Deixe um comentário

Os Sorrisos, Os Olhos e Os Corações

BB 71Os sorrisos mais bonitos escondem os segredos mais profundos. Os olhos mais bonitos tem chorado mais lágrimas. E os corações mais amáveis ​​tem sentido mais dor.
The prettiest smiles hide the deepest secrets. The prettiest eyes have cried the most tears. And the kindest hearts have felt the most pain.

30/06/2013 Posted by | Reflexões | Deixe um comentário

Como você reage às situações boas ou ruins

bem estarHá pessoas mentalmente “programadas” para sentirem-se insatisfeitas, independente do que aconteça na vida, bem como há pessoas que têm um modo de encarar a vida de maneira quase sempre positiva.

Qualquer que seja o nível de felicidade conferido por sua configuração cerebral, sempre haverá a oportunidade de aumentar a sensação de bem-estar, pois esta é, em grande parte, determinada pelo modo que você reage às situações boas ou ruins.

Qualquer que seja o nível de felicidade conferido por sua configuração cerebral, sempre haverá a oportunidade de aumentar a sensação de bem-estar, pois esta é, em grande parte, determinada pelo modo que você reage às situações boas ou ruins.

Para isso, sugiro três passos básicos:

1. Autoconhecimento – Como você costuma reagir a prazeres ou dissabores? Quanto tempo dura o bom ou mau humor?

2. Ajuste a interpretação – Usufrua por mais tempo as pequenas conquistas e releve os contratempos.

3. Perceba a diferença – Se você fizer isso com frequência, mudará aos poucos sua percepção sobre os acontecimentos do dia a dia.

Desse modo, ficará mais fácil controlar suas reações negativas, bem como aumentar sua sensação de bem estar.

Estes pequenos ajustes o ajudarão a calibrar seu termostato mental para lidar melhor com os desafios e oportunidades que aparecem todos os dias.

-Eduardo Ferraz

How do you react to situations good or bad

There are people mentally “programmed” to feel dissatisfied, regardless of what happens in life, and there are people who have a way of looking at life almost always positive.

Whatever the level of happiness conferred by its configuration cerebral, there’s always the opportunity to increase the sense of well-being, as this is largely determined by the way you react to situations good or bad.

Whatever the level of happiness conferred by its configuration cerebral, there’s always the opportunity to increase the sense of well-being, as this is largely determined by the way you react to situations good or bad.

For this, suggest three basic steps:

1. Self – How do you usually react to pleasures or troubles? How long is good or bad mood?

2. Adjust the interpretation – Enjoy longer falls within the small victories and setbacks.

3. Note the difference – If you do this often, your perception will change gradually over the events of everyday life.

Thus, it is easier to control your negative reactions and increase your sense of well being.

These minor adjustments will help you calibrate your mental thermostat to better handle the challenges and opportunities that appear every day.

30/06/2013 Posted by | Autoconhecimento, Bem Estar, Comportamento | Deixe um comentário

Orgasmo: a dúvida cruel

Sexo 23Você acha que rolou, mas ela te enganou! Saiba por que as mulheres continuam mentindo quando o assunto é clímax, assim como os homens também.

Cuidado ao cantar vitória antes da hora! A noite de hoje sem dúvidas merece ser celebrada debaixo dos lençóis, já que não é todo dia que se comemora uma sensação tão venerável quanto o clímax sexual. No entanto, pesquisas recentes podem jogar um balde de água fria na noitada caliente de muitos, pois revelam que o espetáculo de gemidos e espasmos que sua mulher dá na cama provavelmente é puro teatro.

Criada por uma rede de produtos eróticos do Reino Unido, a data tem origem curiosa, uma vez que apenas 20% das britânicas chegam ao orgasmo regularmente, segundo a empresa. No Brasil, a situação não é tão alarmante: 39% das mulheres afirmam gozar regularmente, de acordo com um estudo feito pelo Datafolha, uma em cada três brasileiras ainda diz não sentir desejo.

Para Odair Comin, psicólogo clínico e autor do livro “Mestre das Emoções”, os fatores que levam à anorgasmia são diversos, e podem variar desde a educação adquirida até o abuso sexual na infância ou adolescência. “Assim como a falta de conhecimento do próprio corpo, posturas familiares repressivas, a privação de informações sobre sexo e liberdade para abordar o assunto”, explica Comin.

A terapeuta sexual Luciane Secco concorda, acrescentando que “a carência de diálogo e entrosamento entre as partes” é outra condição que pode minar o caminho até o orgasmo. É importante salientar, entretanto, que indiferença sexual não é sinônimo de anorgasmia, pois “o desejo é uma coisa, e o orgasmo é outra — uma pessoa pode muito bem iniciar uma relação sem desejo e terminar tendo prazer”, esclarece Secco.

E quem falou que homem não finge orgasmo? O estudo realizado pelo instituto de pesquisas mostrou ainda que 26% dos entrevistados disseram já ter fingido na hora H. Luciane Secco destaca o papel dos valores sociais, uma vez que “é uma coisa nova esse negócio do homem falar de sua falta de desejo. Já para a mulher não ‘pega mal’ conversar a respeito”.

Àqueles cuja ausência de clímax é recorrente, Odair Comin indica o tratamento através da psicoterapia, que envolve hipnose e um levantamento de informações sobre a história de vida do paciente, além do histórico da sua formação e vivência sexual. Essas técnicas auxiliam o processo de ressignificação da sexualidade do indivíduo: “Normalmente são questões inconscientes que dão sustentação para a dificuldade e, por isso, a cura também precisa chegar nesse nível para ter resultados”, garante o psicólogo.

De qualquer maneira, você não pode se revoltar caso pegue sua parceira com a boca na butija. Afinal de contas, aquelas que dão risada pelas nossas costas, por conta de uma boa atuação erótica, é porque não aprenderam que os homens, também, infelizmente, são capazes de forjar relações por décadas.

O fato é que evite, a todo custo, fingir. Se tens dificuldades de atingir o orgasmo, fale com a sua companheira (o), e se for necessário, a maioria das vezes não é, vá ao médico.

Orgasm: Doubt Cruel

Do you think that happened, but she tricked you! Learn why women continue lying when it comes to climax.

Care to declare victory too soon! The tonight undoubtedly deserves to be celebrated under the sheets, as it is not every day that celebrates a sense as venerable as the sexual climax. However, recent research may throw a bucket of cold water in the evening caliente many, because they reveal that the spectacle of moans and spasms that gives his wife in bed probably is pure theater.

Created by a network of erotic products from the United Kingdom, the date is curious origin, since only 20% of British reach orgasm regularly, according to the company. In Brazil, the situation is not as alarming: 39% of women claim to enjoy regularly, according to a study by Datafolha, one in three girls still says not feel desire.

To Odair Comin, clinical psychologist and author of the book “Master of Emotion”, the factors that lead to anorgasmia are diverse, and can range from education acquired by sexual abuse in childhood or adolescence. “Just as the lack of knowledge of the body, postures repressive family, deprivation of information about sex and freedom to address the issue,” explains Comin.

Sex therapist Luciane Secco agrees, adding that “the lack of dialogue and understanding between the parties” is another condition that can undermine the path to orgasm. It is important to note, however, that sexual indifference is not synonymous with anorgasmia, because “the desire is one thing, and orgasm is another – a person may very well start a relationship without desire and finished taking pleasure,” says Secco.

And who said that man does not pretend to orgasm? The study by the research institute also showed that 26% of respondents said they have pretended time H. Luciane Secco highlights the role of social values, since “is a new thing that business man talking about his lack of desire. As for the woman not ‘looks bad’ talk about. ”

Those whose lack of climax is recurrent, Odair Comin indicates treatment through psychotherapy, which involves hypnosis and survey information on the life history of the patient, and the history of its formation and sexual experience. These techniques help the process of redefinition of a person’s sexuality: “They are usually unconscious issues which sustain the difficulty and therefore, the cure must also reach that level to have results,” says the psychologist.

Anyway, you can not revolt if take your partner with his mouth in butija. After all, those who giggle behind our backs, because of good acting erotic, it is because they have not learned that men are able to forge relationships for decades.

The fact is that you avoid at all costs, to pretend. If you have difficulty reaching orgasm, talk to your partner, and if necessary, most times it is not, go to the doctor.

29/06/2013 Posted by | Relacionamento, Sexo | Deixe um comentário

Seja terapeuta de si mesmo!

meditação 3Poucos conhecem, ou acreditam, mas existem tratamentos sutis e energéticos à base de pensamento elevado. Terapia que não onera o bolso de ninguém e proporciona, a quem acredita, benefícios em relação ao objetivo desejado. No mundo atual, cada vez mais somos induzidos à estratégia da propaganda, ou seja, ao jogo da sedução que exerce um poder hipnotizador sobre nossas mentes. Muitas vezes, sem percebermos, consumimos por indução ou ficamos à mercê de publicidades, que através da mídia, encarrega-se de nos receitar fórmulas da felicidade baseadas na prática e modelo consumista.

Manipulados psicologicamente e absorvidos pelo poder de sedução que dita regras de comportamento social estimulado pela moda, vamos, gradualmente, despersonalizando-nos e perdendo a capacidade de discernir sobre o que é mais importante ou prioritário para a nossa vida.

Desta forma, aproximamo-nos da dimensão da matéria e seus prazeres imediatos, supérfluos e nos distanciamos de nossa natureza espiritual, que quando associada às experiências da realidade física, proporciona-nos aprendizados que visam o amadurecimento do espírito.

A robotização proporcionada pelo poder de sedução do sistema alicerçado no materialismo gera indivíduos alienados de sua condição espiritual, já que o pensamento imediatista destas pessoas gira em torno de um conjunto de valores – e crenças – que determina uma tendência fundamentada em interesses lucrativos.

“Fugir” desta robotização, ou seja, do processo de despersonalização em massa, não é simples, pois exige do indivíduo, coragem para ir na contra-mão de poderosos interesses. E desafiar o poder exige uma indispensável ferramenta: a lucidez.

Gerada pelo poder de sedução do modelo materialista, a robotização, além de despersonalizar o indivíduo e agir sobre a sua auto-estima, ajuda a criar distâncias entre as camadas sociais. Nesse sentido, imperceptivelmente, a discriminação torna-se fator de geração de doenças pelo processo de somatização, pois, sentir-se excluído ou incapaz de atingir um patamar social que garanta uma melhor qualidade de vida para si e seus familiares, é motivo de desequilíbrios na esfera psíquico-espiritual.

Portanto, a “terapia gratuita” que poucos conhecem ou praticam no mundo ocidental, pode ser a prece espontânea. Ao elevarmos sistematicamente o nosso pensamento, geramos internamente uma energia compatível com o objetivo de nossas intenções, ou seja, a transparência das nossas intenções é regra básica para determinar -ou não- a alteração de nossa sintonia ou a mudança de nossa atitude diante da vida.

Outra opção de tratamento gratuito é a meditação, que quando elevada em forma de pensamento, possui a mesma qualidade terapêutica -ou energético-curativa- da prece espontânea.

Como sugestão, tanto numa opção quanto na outra, podem ser utilizadas palavras-chave de significado transcendental como “força, serenidade e equilíbrio”, entre outras.

Força significa reação a uma situação estabelecida (o problema em si). Serenidade nos remete à busca por paz interior.  Equilíbrio, por sua vez, une os dois significados anteriores em busca do discernimento e lucidez para entender o que se passa consigo, até o indivíduo atingir ou retomar o equilíbrio psíquico-espiritual.

Na prática da sugestão, ao mentalizarmos as três palavras-chave em nossa prece ou meditação, podemos ouvir uma música que eleve a alma, ou se preferirmos, simplesmente o silêncio.

No entanto, é importante mentalizarmos um ambiente de paz e harmonia. Por exemplo, a visualização do sol, do mar ou de uma cachoeira, representam a força da natureza. A serenidade pode ser representada por um campo florido ou um lago iluminado pelo sol ou lua cheia. O equilíbrio representado pelo ecossistema que relaciona-se à harmonia da imagem visualizada como um todo.

No conjunto da imagem, podemos visualizar no fundo o mar iluminado pela energia solar, e mais à frente, um campo coberto de flores e esvoaçantes borboletas. Ao mesmo tempo que visualizamos  -de olhos fechados- essa harmoniosa imagem, repetimos mentalmente: “força, serenidade, equilíbrio”…

Entre os espiritualistas, independente de religiões, existe uma orientação natural que nos remete a um poder oculto (fé) que existe em cada um de nós. Poder que, quando despertado, é capaz de transformar realidades.

Contudo, contrário à essa orientação natural, existe um dito popular que nos remete a um direcionamento materialista associado ao mundo dos negócios e do lucro: “Tudo que de graça é dado, é pouco valorizado”. Mesmo assim, vale a pena aproveitar a energia do universo acessível a todos os seres inteligentes e ser terapeuta de si mesmo…

A sugestão, porém, não tem a pretensão de induzir ninguém a uma ideologia, mas chamar a atenção para o discernimento necessário no sentido de cada indivíduo valorizar o que é importante para a sua vida. E a partir dessa clareza de intenções, priorizar ações em benefício de seu crescimento integral que envolve a saúde física e mental, o profissional, o social e o espiritual.

Be therapist yourself!

Few know, or believe, but there are treatments and subtle energy-based high thinking. Therapy that does not burden the pocket and provides anyone, who believes, benefits in relation to the desired goal. In today’s world, more and more we are led to the strategy of propaganda, ie, the game of seduction hypnotist who exercises a power over our minds. Often without realizing it, we consume by induction or at the mercy of advertising, that through the media, is responsible for prescribing the formula of happiness based on practice and consumerist model.

Psychologically manipulated and absorbed by the power of seduction that dictates rules of social behavior stimulated by fashion, we gradually depersonalizing us and losing the ability to discern what is most important or priority for our lives.

Thus, we approach the dimension of matter and its immediate pleasures, luxuries and distance ourselves from our spiritual nature, which when combined with experiences of physical reality, gives us lessons that target the maturing spirit.

The robot provided by the seductive power of the system generates rooted in materialism individuals alienated from their spiritual condition, since short-term thinking these people revolves around a set of values ​​- and beliefs – that determines a trend based on profit interests.

“Escape” this robot, ie, the process of depersonalization mass is not simple, since it requires the individual courage to go against the tide of powerful interests. And challenge the power requires an indispensable tool: lucidity.

Generated by the seductive power of the materialist model, robotization, and depersonalize the individual and act on their self-esteem, helps create distances between the social classes. Accordingly, imperceptibly, discrimination becomes factor generation by the process of somatization disorders therefore feel excluded or unable to achieve a social level to ensure better quality of life for themselves and their families, is cause for imbalances the psycho-spiritual sphere.

So the “free therapy” that few know or practice in the Western world, the prayer can be spontaneous. By systematically elevate our thinking, we generate energy internally consistent with the object of our intentions, ie, the transparency of our intent is basic rule to determine whether or not it change our tune or change our attitude towards life .

Another treatment option is the free meditation, which when elevated in the form of thought, has the same quality therapeutic-or energy-healing-prayer spontaneous.

As a suggestion, both as an option on the other, can be used keywords such transcendental meaning “strength, serenity and balance” among others.

Force is the reaction to a situation established (the problem itself). Serenity us to the search for inner peace. Balance, in turn, unites the two meanings of previous searching insight and clarity to understand what is wrong with you, up to the individual to achieve or regain balance psycho-spiritual.

In practice the suggestion, we focus to three keywords in our prayer or meditation, we hear a song that elevates the soul, or if you prefer, just silence.

However, it is important we focus an environment of peace and harmony. For example, viewing the sun, the sea or a waterfall, representing the force of nature. The serenity can be represented by a field of flowers or a lake illuminated by the sun or moon. The balance represented by the ecosystem that relates to the harmony of the displayed image as a whole.

On the whole image, we can see at the bottom of the sea lit by solar energy, and later, a field covered with flowers and fluttering butterflies. While visualize-closed eyes-this harmonious picture, mentally repeat: “strength, serenity, balance” …

Among spiritualists, regardless of religions, there is a natural orientation that leads us to a hidden power (faith) that exists in each of us. Power that, when aroused, can transform realities.

However, contrary to this natural orientation, there is a popular saying that refers us to a direction associated with the materialistic world of business and profit: “Everything is grace because it is undervalued.” Still, it’s worth harness the energy of the universe accessible to all intelligent beings and be a therapist himself …

The suggestion, however, does not claim to induce anyone to an ideology, but to draw attention to the necessary discernment towards each individual value what is important to your life. And from that clarity of intent, prioritize actions for the benefit of their integral growth that involves physical and mental health, the professional, social and spiritual.

29/06/2013 Posted by | Autoconhecimento | Deixe um comentário

Amar e Perder

coração partidoVocê não pode forçá-la (o) a te amar ou te querer, mas um dia você vai fazê-la (o) perceber o que ela (ele) perdeu.
You can not force her (him)) love you or want you, but one day you will do it understand what she (he) lost.

29/06/2013 Posted by | Reflexões | Deixe um comentário

Melhor Pessoa

melhor pessoaA melhor pessoa em sua vida é a que vem em primeiro lugar em sua mente depois de ler este texto.
The best person in your life is the one who comes first in your mind after reading this text.

28/06/2013 Posted by | Reflexões | Deixe um comentário

Imagine

imaginaçãoNossa capacidade de imaginar, por mais simples que pareça, pode mudar toda uma realidade. É só não perdê-la de vista.

Fui assistir à conferência do Mario Vargas Llosa no Teatro Geo, em São Paulo. Era a abertura da Fronteiras do Pensamento e o auditório esta lotado. E Llosa não decepcionou. Falou sobrer seu novo livro, ainda inédito no Brasil, cujo título é “Sociedade do Espetáculo”. Contou que foi estimulado a escrevê-lo depois de visitar a Bienal de Veneza, onde percebeu que as obras expostas pareciam ter menos compromisso com a arte, e mais com o espetáculo. “Eu não levaria nada daquilo para casa”, disse. E começou bem organizado discurso a favor da cultura, como elemento transformador, ao mesmo tempo em que questionava o espetáculo pelo espetáculo, aquele sem compromisso com a qualidade, com o belo ou com a densidade artística, cuja missão é a de elevar a qualidade do humano.

O discurso dele foi ótimo, e concordo com ele, pois também não gosto da banalização de qualquer coisa, quanto mais da arte e da cultura. Obras de todas as áreas da arte podem até chocar, aliás, essa é uma das suas funções. Mas, por favor, que choquem pelo motivo e da maneira certa, pelo incômodo da mensagem, pelo inesperado da forma, pelo inusitado da estética. Que o choque venha daí, e não do mau gosto, da ofensa aos sentidos, da falta total de significado, do apenas querer ser diferente. A verdade pode ser confrontada, pois não é absoluta, mas a inteligência não aceita ser ofendida. Llosa preocupa-se que a sociedade contemporânea esteja sendo atraída pela superficialidade do espetáculo que nos entretém do que pela profundidade da cultura que nos faz pensar. Eu também.

Mas, apesar de toda a erudição, foi uma frase, dita no meio de um longo discurso e perdida entre tantos pensamentos, que ficou reverberando em minha cabeça quando voltava para casa. “Que pequeno e medíocre é o mundo real quando comparado com o que nossa imaginação pode criar”.

O escritor me deixou pensando seriamente sobre o valor da imaginação, sobre o que podemos fazer para enriquecê-la e, mais ainda, como utilizá-la para melhorar a realidade, essa que nos cerca, nos protege e nos atormenta. Será possível melhorar a “qualidade” da imaginação humana? Será que, como o tempo, paramos de imaginar e nos tornamos prisioneiros desse mundo pequeno e medíocre? Naquela noite, dormi tarde.

Enquanto tentava dormir, entre outras memórias, lembrei-me da emoção que senti certa vez, quando cruzei a Central Park West na altura da W72nd St., e entrei no Central Park de Nova York pelo portão que leva a um jardim chamado Strawberry Fields. A primeira coisa que vi foi um círculo na calçada, uma mandala com raios concêntricos, desenhados com pequenos mosaicos portugueses brancos e pretos, em cujo centro está escrita apenas a palavra Imagine!. Esse jardim fica quase em frente ao Dakota Apartments , famoso por ter sido o último lar de John Lennon , e também o local de sua morte. Alguns anos antes, Lennon havia lançado um disco solo, que trazia a música Imagine, que também dava nome ao álbum. Consta que ele, no começo, não acreditava muito no sucesso do disco, mas a canção foi eleita pela revista Rolling Stone a terceira maior música de todos os tempos, e até hoje é reconhecida como uma espécie de hino à paz.

Sua mensagem propõe que imaginemos que as fronteiras, as posses, a ganância e a religião, os grandes causadores de conflitos, não existem, e por isso o mundo vive em paz.

Essa música é realmente belíssima, não há quem não se emocione com sua letra e sua melodia, simples e profundas. Até porque é difícil ser contra o que ela defende, a paz. Entretanto, a música é portadora de uma segunda mensagem, que passa despercebida: imagine. Antes de ser uma ode à paz, Imagine poderia também ser vista como um tributo à maravilhosa qualidade excessivamente humana, que é a capacidade de imaginar. “É fácil se você se esforçar”, diz o ex-beatle, e acerta em cheio. Às vezes não nos esforçamos para imagina nossas infinitas possibilidades, e perdemos uma parte importante de nós.

No filme “À Procura da Felicidade”, Will Smith representa Chris Gardner, um homem que atravessa um período turbulento, em que é abandonado pela esposa e enfrenta uma grave crise financeira. Chega ao ponto de ser despejado e ter de dormir com o filho Christopher de cinco anos em abrigos e estações de trem. Como muitos dos filmes do gênero “superação”, este é baseado em uma história real, o herói vira o jogo e, após ser aprovado para trabalhar em uma corretora de valores, torna-se um milionário.

Mas o fato relevante é como ele usava a imaginação para fazer duas coisas: convencer-se da possibilidade de mudança da situação, e conseguir sobreviver às dificuldades pelas quais estava passando. Na primeira noite em que dormiu no banheiro público do metrô , criou uma brincadeira com o filho, na qual eles imaginavam que fugiam de dinossauros e se salvavam protegendo-se em uma pequena caverna. A imaginação o salvou dinossauro da desesperança e manteve intacta a relação pai e filho.

E não é só Hollywood que enaltece a imaginação. A frase mais conhecida de Einstein é aquela que diz: “A imaginação é mais importante que o conhecimento”. O físico estava se referindo à limitação do conhecimento, enquanto declarava que a imaginação seria um território ilimitado. Nada mais certo. De certa forma, podemos dizer que tudo o que existe de concreto no mundo, e que foi feito pelo homem, é descendente direto da imaginação humana. Sem imaginação a arte seria manca e monótona, a ciência seria primitiva e pequena, e até as relações humanas seriam previsíveis e insatisfatórias. Se é que essas coisas existiriam.

Por isso, imagine. Liberte a criatividade da mesmice, da impossibilidade e do limite. Todos são inimigos da imaginação, e também do progresso e da felicidade mental de criar imagens com as quais não se teve uma experiência direta. E isso tem uma imensa virtude. A de gerar energia necessária para que a transformação da imagem mental em algo real aconteça. Não existe nada feito pelo homem que não tenha começado com uma imagem mental.

A imaginação, junto com a curiosidade e a transgressão, é uma qualidade infantil. Como as crianças ainda não foram apresentadas inteiramente à realidade, só lhes resta imaginar. Elas criam seu universo imaginário e vicem nele a aventura da felicidade. Sim precisamos da imaginação para sermos felizes, pois este é o antidoto para a dureza da tal realidade.

Mas o tempo passa e trata de nos fazer íntimos da realidade. Isso não é ruim, mas tem seu lado perverso: passamos a acreditar que a realidade é mais poderosa que a imaginação. O resultado é o calo da alma, que nos enrijece e limita nossos movimentos.

No dia em que paramos de acreditar na possibilidade da criação de um mundo melhor, começamos a morrer. Convença-se que a vida é injusta e ela assim será, e sempre contra você. Imagine um mundo mais justo e ele começara a existir. Eu me nego a conformar com o mundo pequeno e medíocre a que Vargas Llosa se refere. Prefiro imaginar algo melhor, em que as pessoas têm oportunidades equivalentes, os mesmo direitos, e exercem seu direito de aproveitá-los ou não. Alguns dirão que sou ingênuo. Outros, que sou visionário.

Na verdade, estou sempre disposto a imaginar que a vida vale a pena, e que se existe a tristeza é só para que possamos entender a alegria. Imagino que a intolerância, a arrogância, o orgulho, e a maldade são sintomas da fase evolutiva inferior em que ainda nos encontramos. E imagino que vamos evoluir. Prefiro imaginar que um mundo melhor é, sim, possível, e assumo minha parcela de responsabilidade para ajudar a construí-lo. Imagine, e você, se arrisca a conseguir. Não imagine, conforme-se, e você estará condenado à mesmice. Imagine e organiza-se para tornar a imaginação realidade, e algumas coisas fantásticas começarão a acontecer.

“Você pode achar que sou um sonhador, mas eu não sou o único e você ainda vai se juntar a nós”

– Eugenio Mussak

Imagine

Our ability to imagine, as simple as it seems, can change a whole reality. Just do not lose sight of it.

I attended the conference of Mario Vargas Llosa in Theatre Geo in São Paulo. It was the opening of the Boundaries of Thought and this crowded auditorium. And Llosa did not disappoint. Spoke sobrer his new book, unprecedented in Brazil, titled “Society of the Spectacle”. Said he was encouraged to write it after visiting the Venice Biennale, where he realized that the exhibits seemed to have less commitment to the art, and more with the show. “I would not take any of it home,” he said. He started well organized speech in favor of culture as a transforming element, while it questioned the show by show, that without commitment to quality, with the beautiful or artistic density, whose mission is to raise the quality of human.

His speech was great, and I agree with him because I do not like the trivialization of anything, the more art and culture. Works in all areas of art can even shock, indeed, this is one of their functions. But please, for the reason they hatch and the right way, the inconvenience of the message, by an unexpected way, the unusual aesthetics. The shock comes from there, and not the bad taste of the offense to the senses, the total lack of meaning, of just want to be different. The truth can be confronted, it is not absolute, but intelligence does not accept being offended. Llosa worries that contemporary society is being attracted by the shallowness of the spectacle that entertains us than the depth of culture that makes us think. Me too.

But, despite all the scholarship was one phrase, uttered in the middle of a long speech and lost among so many thoughts, that was reverberating in my head when he came home. “That small and mediocre is the real world when compared to what our imagination can create.”

The writer got me thinking seriously about the value of imagination about what we can do to enrich it and, even more, how to use it to improve the reality, that which surrounds us, protects us and torments us. Is it possible to improve the “quality” of the human imagination? Will, like time, stop imagining and become prisoners of this world small and mediocre? That night, I slept late.

While trying to sleep, among other memories, I remembered the excitement I felt once, when I crossed the Central Park West in St. W72nd height, and entered the Central Park of New York through the gate that leads to a garden called Strawberry Fields. The first thing I saw was a circle on the sidewalk, a mandala with concentric rays, designed with small black and white Portuguese tiles in the center of which is written the word just Imagine!. This garden is almost opposite the Dakota Apartments, famous for having been the last home of John Lennon, and also the place of his death. Some years before, Lennon had released a solo album, which featured the song Imagine, which also gave name to the album. Reportedly he at first did not believe in the success of the album, but the song was chosen by Rolling Stone’s third largest music of all time, and is still recognized as a sort of hymn to peace.

Your message proposing to imagine that the borders, possessions, greed and religion, a major cause of conflicts do not exist, and therefore the world lives in peace.

This song is really beautiful, no one does not wow with its lyrics and its melody, simple and profound. Because it’s hard to be against what she stands for, peace. However, the music carries a second message, which goes unnoticed: imagine. Before being an ode to peace, Imagine could also be seen as a tribute to the wonderful human quality too, which is the ability to imagine. “It’s easy if you try,” says the former Beatle, and hits dead. Sometimes we do not strive to realize our infinite possibilities, and we lose an important part of us.

In the movie “The Pursuit of Happyness,” Will Smith is Chris Gardner, a man going through a turbulent period, which is abandoned by his wife and is facing a severe financial crisis. Reaches the point of being evicted and having to sleep with her son Christopher five years in shelters and train stations. Like many films of the genre “overcoming”, this is based on a true story, the hero turns the tables, and after being approved to work in a brokerage firm, becomes a millionaire.

But the fact is how he used the imagination to do two things: convince yourself of the possibility of changing the situation, and to survive the difficulties they were going through. The first night we slept in public toilet subway, created a game with his son, in which they imagined fleeing dinosaurs were saving and protecting themselves in a small cave. Imagination Dinosaur saved from hopelessness and kept intact the father-son relationship.

And it’s not just Hollywood that exalts the imagination. The most famous phrase from Einstein is that which says: “Imagination is more important than knowledge.” The physicist was referring to the limitation of knowledge, as he declared that the territory would be a limitless imagination. Nothing more certain. In a way, we can say that everything that exists in the concrete world, and that was man-made, is a direct descendant of the human imagination. Unimaginative art would be limp and dull, science would be primitive and small, and even human relationships were predictable and unsatisfying. If it is that these things exist.

Therefore picture. Unleash the creativity of sameness, and the impossibility of the boundary. All are enemies of the imagination, as well as progress and happiness of creating mental images with which we have not had a direct experience. And it has a huge virtue. The energy required to generate the transformation of the mental image of something real happening. There is nothing made by man which has not started with a mental image.

The imagination, along with the curiosity and transgression is a childlike quality. As children have not yet been fully presented to the reality, the only thing left to imagine. They create their fictional universe and Vicem him the adventure of happiness. Yes we need imagination to be happy, because this is the antidote to the harshness of this reality.

But time passes and comes to make us close to reality. That’s not bad, but it has its dark side: we come to believe that reality is more powerful than the imagination. The result is the callous soul, we stiffens and restricts our movements.

The day we stop believing in the possibility of creating a better world, we begin to die. Convince yourself that life is unfair and it will be so, and always against you. Imagine a fairer world and he began to exist. I refuse to conform to the world small and mediocre that Vargas Llosa refers. I prefer to imagine something better, where people have equal opportunities, the same rights and exercise their right to enjoy them or not. Some will say that I am naive. Other than that I am visionary.

Actually, I’m always willing to imagine what life is worth, and if there is only sadness for us to understand the joy. I imagine that intolerance, arrogance, pride, and wickedness are symptoms of lower evolutionary phase in which we still find ourselves. And I suppose we evolve. I prefer to imagine that a better world is indeed possible, and I take my share of responsibility to help build it. Imagine, and you venture to achieve. Do not imagine, as up, and you will be sentenced to sameness. Imagine and organized to make imagination reality, and some amazing things begin to happen.

“You might think I’m a dreamer, but I’m not the only one and you will still join us”

27/06/2013 Posted by | Artigos | 2 Comentários

Vergonha

BB 19Nunca tenha vergonha do que você sente. Você tem o direito de sentir qualquer emoção que você quer, e fazer o que te faz feliz.
Never be ashamed of what you feel. You have the right to feel any emotion that you want, and to do what makes you happy.

25/06/2013 Posted by | Reflexões | Deixe um comentário

Mude sua Mente. Mude o Mundo

Mathieu RicardMatthieu Ricard é um monge budista que reside no Monastério Shechen Tennyi Dargyeling, no Nepal.

Nascido em Aix-les-Bains, Savóia, ele é filho do renomado filósofo francês Jean-François Revel (nascido Jean-François Ricard), e cresceu em meio às ideias e personalidades dos círculos intelectuais da França de então. Sua primeira viagem à Índia ocorreu em 1967.

Trabalhou para obter um Ph.D. em genética molecular no Instituto Pasteur. Após completar sua tese de doutorado, em 1972, Ricard decidiu abandonar sua carreira científica e se concentrar na prática do Budismo Tibetano. Viveu no Himalaia estudando com Kangyur Rinpoche e outros grandes mestres da tradição, e se tornou o estudante próximo e assistente de Dilgo Khyentse Rinpoche até sua morte em 1991. Desde então, Dr. Ricard tem se dedicado a realizar a visão de Khyentse Rinpoche.

Membro do Instituto Mente e Vida, que se devota a gerar encontros e pesquisas colaborativas entre cientistas e eruditos e meditadores budistas, suas contribuições apareceram em “Destructive Emotions” (editado por Daniel Goleman)e outros livros de artigos. Ele está engajado na pesquisa dos efeitos do treinamento da mente no cérebro, nas universidades de Madison-Wisconsin, Princeton e Berkeley.

Recebeu a Ordem Nacional Francesa do Mérito por seu trabalho humanitário no Oriente. Nos últimos anos, Dr. Ricard dedicou seus esforços e cedeu parte de seus direitos autorais a vários projetos de caridade na Ásia, incluindo a construção e manutenção de clínicas, escolas e orfanatos. Desde 1989, ele tem sido o intérprete em francês do Dalai Lama.

Neste vídeo ele apresenta a sua experiência, com a participação de SS Dalai Lama.

25/06/2013 Posted by | Autoconhecimento, Bem Estar, Equilibrio | Deixe um comentário