PrimeLife (Ano VI)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Foco

focoÉ muito comum na vida e no trabalho perdermos o foco.
Esse é um dos principais motivos que nos impedem de atingir nossos objetivos.
Se um navio errar um grau em sua rota, chegará ao continente errado.
Foco é o que permite atingir nosso alvo.
Para isso, precisamos conhecer bem o alvo e nos concentrarmos firmemente nele.
Focar é fazer que toda nossa energia e concentração estejam direcionadas para o alvo.
As principais causas da falta de foco são:
– falta de clareza de objetivos,
– excesso de objetivos e dificuldades de estabelecer prioridade,
– distrações provenientes de outros interesses e compromissos.
Quando conhecermos nosso alvo e nos concentrarmos em atingi-lo, adquirimos um extraordinário poder de realização.
Saber priorizar nossos esforços é fundamental para obter sucesso.
Mas não se esqueça de olhar ao redor para perceber o todo.
Esteja sempre atento a tudo, sempre alerta aos acontecimentos que podem ajudá-lo a atingir o alvo.
O foco é estabelecido para evidenciar e priorizar, nunca para diminuir nossa capacidade de visão.

Anúncios

18/02/2014 Posted by | Comportamento | Deixe um comentário

Afinal: quem é o seu ego?

ego-vida-simplesMuitos estudiosos como Buda, Freud, Jung e Sartre tentaram decifrar o ego, aquilo que você chama de “eu”. A questão é: ele é você, mesmo? Há duas notícias, uma boa e uma ruim. A boa é que há um certo consenso, sim. A ruim é que o consenso mais complica do que explica. E o que vem a ser esse consenso? O ego pode ser o foco central da sua personalidade, como dizia Freud. Ou um monte de elementos agregados que parecem ser uma unidade, como querem os budistas. De qualquer forma, ele é só uma parte de você.

Para saber como nasce o ego e como ele se desenvolve, observe um bebê recém-nascido. Com o tempo, o bebê passa a existir. Com 2 anos, a criança já tem uma perfeita noção de que está separada do mundo próximo – da mãe, do pai, dos brinquedos, da roupa e da comida. Surge o “eu”, em oposição aos “outros”. Essa sensação de identidade é o que vai garantir sua sobrevivência. O ego é necessário e vital nesse período.

Assim a criança cresce, tendo a si mesma como referência, ou seja, buscando o que lhe dá prazer e tentando evitar o que a faz sofrer. Lembrando-nos do que fizemos ontem e do sentimento que aquilo causou é que escolhemos o que fazer hoje.

O problema é que mais cedo ou mais tarde, as escolhas pautadas pelo prazer começam a não satisfazer mais. Não basta a casa confortável, o carro veloz, o trabalho satisfatório, os filhos, a mulher ou o marido. Aflora um sentimento profundo de falta. É nessa fase, na crise existencial da meia-idade (que pode acontecer antes ou nunca), que surgem as perguntas “quem sou eu?”. Começa uma busca, não mais restrita aos desejos do ego, mas para além dele.

Trata-se de reconhecer que nossos desejos e nossa identidade são dinâmicos. Eles mudam com o tempo, o lugar, as circunstâncias. Você nunca se pegou sentindo, pensando e agindo de forma diferente, às vezes até contraditória, quando está de férias? É isso. Para explicar variações como essas, algumas tradições espirituais dizem que dentro de nós existe não apenas um “eu”, mas dezenas deles, que se revezam a cada minuto, nos desdizendo o tempo todo. E os estudiosos do assunto concordam.

Freud explica

Na psicologia ocidental, o ego vive na maior saia justa. A estrutura da personalidade, segundo Sigmund Freud, é dividida em três partes. Tem o ego, mas também tem o id e o superego, que permanecem como a parte submersa de um iceberg.

O id é nossa fração mais instintiva, primitiva, e vive entre dois opostos. De um lado, o impulso para a vida, para o prazer. Do outro, o impulso para a morte, a destruição.

O superego é o freio a isso tudo e representa as forças de controle da sociedade. Segundo o médico vienense, ele também tem duas vozes: o ego ideal, que é uma imagem projetada de nós mesmos, da maneira que gostaríamos de ser; e a consciência, que é quem diz como fazer para alcançar o ego ideal.

Ou seja, para Freud, o ego, não é nada mais do que um funcionário pragmático com vários patrões.

O inconsciente coletivo

Carl G. Jung, discípulo de Freud, trouxe a essa teoria uma novidade e tanto. Ele também diz que nós somos mais do que o ego. Mas, para ele, em vez de id e superego, o que carregamos é o inconsciente coletivo. Ou melhor: o inconsciente coletivo é que nos carrega dentro dele. É uma espécie de voz que vem do passado e que nos lembra quem somos e como chegamos aqui. O ego seria apenas o centro. O resto são experiências, valores e conceitos que compõem o inconsciente coletivo. Os sonhos e as diversas formas de expressão artística dão pistas de como essas formas arquetípicas influenciam sua mente e sua vida.

Visão budista

Entre as filosofias que destacam o papel do ego está o budismo. Entre seus adeptos, diz-se que ego não é uma unidade, mas um aglomerado de elementos diferentes, que dão a ilusão de ser uma coisa só. Ou seja, lidamos com uma realidade conceitual, diferente da realidade real. E a realidade conceitual é uma ilusão que nos impede de ver a realidade real, dizem os budistas. O mesmo acontece com o ego. Ele é um amontoado de características diferentes, que, juntas, parecem ser uma coisa só. O ego é um conceito.

Num de seus últimos ensinamentos, Buda diz para seus discípulos que tudo é vazio. Ou, de outra forma, que tudo existe apenas virtualmente. Além disso, esse mundo virtual é um todo interdependente e que esse todo está em constante mudança. Em outras palavras: o ego, essa noção que temos de nós mesmos separados do mundo, é uma ilusão. Por essa visão de mundo, tudo está interligado, como uma grande trama, uma rede.

O outro eu

Então há mais de você em você mesmo. Mas como sentir ou viver esse você? Para os budistas, a meditação é o caminho para entrar em contato com nossa verdadeira natureza.

A psicologia transpessoal compartilha essa fé na meditação para a ampliação da consciência. Com a meditação, dizem seus adeptos, podemos ver os pensamentos e desejos fluírem como um rio. Provamos o espaço interior que existe além do ego, tocamos o que não é limitado pelo espaço e pelo tempo.

Se de um lado o Oriente propõe a anulação do ego, no Ocidente há quem pregue que a resposta para as inquietações e a conquista do equilíbrio pessoal pode ser apenas a superação do ego infantil, com a possibilidade do nascimento de um humanismo individualista mais responsável. Se você gosta de grandes nomes para dar fé a teorias, essa tem a assinatura do mitólogo americano Joseph Campbell. É o caminho do meio. Menos ego e mais compreensão.

Para saber mais

A Arte de Bem Viver, Joseph Campbell, Palas Athena
As Máscaras de Deus, Joseph Campbell, Palas Athena
A Psicologia Transpessoal, Márcia Tabone, Cultrix
Cultivando a Mente de Amor,
Thich Nhat Hanh, Palas Athena
O Macaco Peregrino, Wu C’hêng-ên, Horus
Respirar o Instante, William Segal, Horus

18/02/2014 Posted by | Bem Estar | Deixe um comentário

A Amizade

generosidadeA palavra amigo deriva do latim amicus, com o significado de preferido, amado. Sua origem é o verbo amare, em português – amar. Assim, a amizade é uma forma de amor. Um amor sincero, leal e transparente.

Amigo de verdade não é aquele que diz o que você quer ouvir. É aquele que diz o que você PRECISA ouvir! Ele arrisca a amizade pelo seu bem. Aquilo que você quer ouvir seus inimigos podem lhe dizer a qualquer hora, especialmente se isso for encaminhá-lo para armadilhas.

A amizade verdadeira possui um interesse interessado, não “interesseiro”. Um amigo de verdade está interessado em te ver feliz, não age de maneira interesseira buscando ser feliz através de você. Amigos de verdade não querem vantagens, estão com você por quem você é!

Um amigo de verdade multiplica os momentos felizes e ameniza os momentos de tristeza. Ele dá força e inspiração e divide as experiências com tamanha alegria que te faz ter a certeza de jamais estar sozinho.

Compartilhe este texto com seus amigos de verdade!

17/02/2014 Posted by | Autoconhecimento | Deixe um comentário

Filosofia budista

Buda 01“Cada manhã, assim que levanto, me lembro de Buda e recito alguns de seus ensinamentos (…). Depois, pelo resto do dia, sigo os seguintes princípios: ser honesto, falar a verdade, ser compassivo, ser pacífico e não ser violento”. Esta declaração do Dalai Lama, feita num evento mundial, resume grandes princípios do budismo.

A religião milenar se baseia nas lições deixadas pelo príncipe Siddharta Gautama, nascido na Índia no século VI a. C. Protegido pelo pai, ele atravessou as portas do seu palácio apenas quando alcançou a juventude. Ficou surpreso e comovido ao se deparar com tanta pobreza e sofrimento do lado de fora.

Aos 29 anos, decidiu deixar a família e buscar entendimento sobre o que havia testemunhado. Após anos de viagens, experiências e meditações, chegou a um altíssimo nível de elevação espiritual, passando a ser chamado de Buda (“iluminado”, “desperto”). Com algumas variações, esta é a história que atravessa os milênios.

Os discípulos de Buda deram origem a diversas escolas doutrinárias na Ásia, que chegaram até o ocidente. Mas, de um modo geral, o alicerce do budismo é formado pelas “Quatro Nobres Verdades”, como registra o Colegiado Buddhista Brasileiro:

Primeira Nobre Verdade: a vida é desequilibrada, fora de prumo, desarmônica. Deve ser compreendida.

Segunda Nobre Verdade: o desequilíbrio é causado pelos três venenos mentais (ira, cobiça e ignorância) e pelos desejos. Deve ser abandonada.

Terceira Nobre Verdade: o equilíbrio pode ser restaurado. Deve ser realizada.

Quarta Nobre Verdade: o equilíbrio da vida pode ser alcançado pelo Caminho do Meio (visão, pensamento, fala, ação, meio de vida, esforço, atenção e meditação corretos). Deve ser desenvolvida.

Para o budismo, a vida é regida pela lei de causa e efeito (carma): ações e pensamentos bons ou maus geram as respectivas consequências. Em resumo, as pessoas colhem as sementes plantam — nesta ou na próxima vida, uma vez que a religião também se baseia no princípio da reencarnação. Tanto é assim que o título de Dalai Lama é dado a um lama (guru) reencarnado, de acordo com a crença dos tibetanos.

Segundo a doutrina, o universo está em constante transformação, daí o princípio da impermanência. Está ligado ao tempo: tudo é transitório e efêmero. Relacionado a ele, está a insubstancialidade (também conhecido como “não-eu”). Trocando em miúdos, como tudo muda e estamos todos interligados – seres humanos, natureza etc — não existe um “eu” isoladamente.

O budismo valoriza o autoconhecimento, por isso enfatiza a prática da meditação. Por meio dela e da forma como se conduz a vida é possível chegar ao nirvana, o estado supremo de serenidade, segundo a sua filosofia. Para isso, é preciso superar os estados de impermanência e de ‘não-eu”, conquistar a sabedoria, “iluminar-se”. Neste estado, segundo a religião, o ser se unifica com todos os seres e elementos do universo.

16/02/2014 Posted by | Espiritualidade | Deixe um comentário

Caminhe e medite

caminhar-na-areiaDurante a caminhada é possível aliviar a mente. Aprenda como dominar sua ansiedade

Há um jeito simples de evitar a ansiedade do dia a dia: meditar andando. “Quando praticamos a meditação andando, nossas queixas e preocupações desaparecem e descobrimos a vida”, diz em seu livro Meditação Andando o monge vietnamita Thich Nhat Hanh, grande divulgador da prática. O que ele quer dizer é que, quando andamos, devemos simplesmente andar e contemplar o momento presente. O grande desafio é levar essa prática para as ruas movimentadas da cidade e aos corredores do trabalho, não é?

Primeiro passo

A monja budista Coen explica que andar com mais pessoas tem lá suas vantagens. “Quando estamos em grupo, ele serve como um apoio, um incentivo para a prática. O importante é perceber que nossa vida está no lugar onde estamos e não naquele para onde vamos – ela está onde nossos pés estão”.

Foi isso que perceberam os monges budistas há cerca de 2 mil anos: durante os intervalos das meditações sentadas eles saíam para andar e, assim, aliviar as pernas, que ficavam muito tempo paradas. E viram que, durante a caminhada, também era possível aquietar a mente – que é o objetivo da meditação.

Respiração consciente

Antes de sair batendo perna por aí, saiba que existem alguns conselhos preciosos para a meditação andando dar certo. A postura é importante: mantenha sempre o quadril encaixado e a coluna ereta. Com o corpo relaxado, preste atenção na respiração – ela é um elo entre o corpo e a mente.

Durante a caminhada, um exercício simples é, ao inspirar, dizer para si mesmo “inspirando” e, ao expirar, dizer “expirando”. Outra técnica é contar os passos dados a cada movimento respiratório. Não tente controlar nem se esforçar. Deixe seus pulmões dizerem o tempo e a quantidade de ar que precisam para um caminhar suave e confortável. A duração da inspiração não tem que ser a mesma da expiração. Evite conversar, para não dispersar.

Mantenha o olhar para a frente e, caso fique com vontade de ver alguma coisa, pare, contemple e depois continue com a caminhada. Mas o que fazer com os pensamentos que pipocam na cabeça? “Os pensamentos surgem, você os observa e depois volta para o momento presente”, disse Coen. “A impressão que as pessoas têm é que a gente desliga do resto, mas é o oposto: sentimos a presença de tudo, com todos os canais de percepção abertos, mas sem julgar”.

Thich Nhat Hanh diz que, como os bebês, precisamos aprender a andar de novo – de maneira mais vagarosa, com mais alegria e naturalidade. “Se prestar atenção, poderá observar todas as preocupações e ansiedades das pessoas impressas no chão. São passos pesados”, diz o monge. Um jeito de reeducar cada passada é ficar atento ao contato dos pés com o solo.

Não importa tanto a velocidade dos passos: você pode andar lentamente, pé ante pé, e sua cabeça estar num tumulto, ou andar mais rápido e sentir prazer nisso. O importante é estar consciente. O monge Phap Nhan disse que uma maneira de saber se você está praticando bem é sentir muito prazer ao caminhar.

Thich Nhat Hanh

Em todos os livros do monge há um ensinamento que é sempre destacado: a importância da conscientização de cada ato da nossa rotina diária. Para ele, a meditação não se dá apenas nos centros, mas nos pequenos atos do dia-a-dia. Thich Nhat Hanh é um grande exemplo com sua própria história de vida. Nasceu no Vietnã em 1926 e foi ordenado monge zen-budista com apenas 16 anos. Durante a guerra no Vietnã, renunciou ao isolamento monástico para ajudar seu povo ativamente. Criou junto a um grupo de professores e estudantes universitários a Escola da Juventude para o Serviço Social, na qual equipes de jovens ajudavam a fundar nos campos escolas e clínicas de saúde e a reconstruir os lugarejos destruídos pela guerra. Trabalhou pela conciliação entre o Vietnã do Norte e o do Sul, o que o levou ao exílio em 1966. Viajou pelo mundo para conversar com líderes em defesa da paz e seus ideais fizeram com que Martin Luther King o indicasse para o Prêmio Nobel da Paz em 1967.

15/02/2014 Posted by | Meditação | Deixe um comentário

Sede e calor

copo cheioEspecialistas dão dicas de hidratação

Os últimos dias têm sido muito quentes e a palavra de ordem no momento é hidratação. Muito além de apenas matar a sede, a ingestão de líquidos é fundamental para o bom funcionamento do organismo.

Apesar desta necessidade, muitas pessoas têm dificuldade em ingerir os 2 litros de água recomendados. Neste caso, a especialista em Nutrição Clínica Funcional Roseli Rossi, indica que o hábito seja desenvolvido de forma gradual. “Colocar folhas de hortelã, capim cidreira, gengibre, suco de limão ou rodelas de laranja na água pode ajudar”, declara.

Sobre a importância de se manter hidratado, principalmente nesta onda de calor, a nutricionista Thaís Verdi alerta que nos dias mais quentes, o corpo perde mais água e o organismo não consegue regular a hidratação apenas pela sede. A ingestão de líquidos e alimentos que contêm maior quantidade de água ajudam neste controle.

Além da recomendação diária de água, alimentos que hidratam o organismo devem ser inclusos no cardápio. Melancia, melão e água de coco, por exemplo, podem e devem ser consumidos de três a quatro vezes por dia. “Estes alimentos ajudam a atingir o valor ideal de ingestão de água mais facilmente, e ainda hidratam por meio dos sais minerais contidos neles. O ideal é consumir água ou água de coco. Sucos naturais também podem ajudar”, explica a nutricionista.

Substituir a água por outras bebidas é permitido, mas não devemos incluir os refrigerantes entre as opções. Além de ricos em açúcares, eles contêm sódio e gás, que colaboram com a desidratação. Sobre o assunto, Roseli Rossi destaca: “A água mineral é fundamental e não deve haver total substituição dela. Entretanto, pode-se complementar a hidratação com água de coco (hidratante natural), sucos, chás, vitaminas, shakes, etc”.

A vantagem do consumo de sucos é que, além de hidratar, eles são nutritivos, pois são compostos de vitaminas, minerais e substâncias benéficas ao organismo como carotenoides, com funções antioxidantes. Mas atenção: “sucos muito concentrados podem demorar mais para serem absorvidos e isto pode não ser adequado em situações específicas onde há necessidade de hidratação rápida”, complementa Roseli.

Quer opções de sucos funcionais? Os de limão, melão, melancia, carambola, abacaxi, lichia, amora, cereja, morango e uva, além de serem antioxidantes, hidratam e trazem benefícios à saúde.

O importante é a percepção de que o corpo precisa se manter hidratado para manter funções metabólicas e fisiológicas e, para isso, é necessário manter a disciplina de sempre ter uma garrafinha de água na bolsa, na mesa de trabalho, na cabeceira da cama. Vale ressaltar que os líquidos devem ser tomados ao longo do dia, desde que levantamos até a hora de ir dormir, e atentar para ingerir os líquidos sempre após as refeição e nunca durante.

14/02/2014 Posted by | Alimentação | Deixe um comentário

Sexo é mais quente quando o parceiro é confiável

amizade1Seu desejo de se entregar no sexo é acompanhado por uma grande onda de medo? A falta de confiança no parceiro pode ser a razão. As mulheres se entregam mais na hora H quando o parceiro é confiável.

Para 87% das mulheres, o relacionamento sexual é mais quente quando acontece com parceiros nos quais elas confiam.

A afirmação faz sentido, pois é muito mais fácil identificar os gostos do parceiro quando já há um entrosamento. Mulheres, de um modo geral, têm mais dificuldade para se soltar na cama, o que esfria o relacionamento sexual.

14/02/2014 Posted by | Sexo | Deixe um comentário

Cinco mitos sobre a sexualidade feminina derrubados

libido5Rodas de amigos, programas de TV, internet e até do namorado: Você, mulher, já deve ter lido/ouvido em algum lugar que sente menos tesão que os homens. Correto? Já deve ter visto também que a mulher que sente muito desejo sexual é considerada espécie rara. Não acredite na oposição, isso tudo não passa de mito! E para comprovar, o jornal Huffington Post publicou uma matéria com a pesquisadora Kristen Mark, especializada em sexo e relacionamento. Confira cinco mitos que foram derrubados por Kristen:

01 – As mulheres sentem menos tesão do que os homens

Mentira, mentira, mentira! Não é regra a mulher sentir menos desejo sexual do que seu sexo oposto, pelo contrário, ambos estão sujeitos, em iguais proporções a terem quedas na libido. Na minha opinião, o que pode acontecer é o fato da mulher depender de mais estímulos do que o homem para sentir vontade de transar.

02 – Para transar é preciso, primeiro, sentir desejo, depois ficar excitado e, por último, atingir o orgasmo.

Outra mentira! Quem aí já foi surpreendido pelo parceiro num dia em que o tesão estava lá embaixo? Não é preciso estar com desejo (num primeiro momento) para transar. Se o parceiro estimular e você ficar excitada, certamente o desejo vai surgir!

03 – Grande parte das mulheres sofrem de disfunção sexual

Essa afirmação surgiu em 1999, a partir de um estudo baseado em respostas “sim” ou “não”. Onde já se viu fazer uma pesquisa sobre sexo com respostas tão vazias quanto essas? Como explicar ao pesquisador que você estava com a libido baixa porque foi demitido da empresa ou porque estava em crise no casamento?

04 – É raridade encontrar mulheres com alto desejo sexual

Um estudo recente constatou que a maioria das mulheres entrevistadas eram “altamente sexuais”, ou seja, existem SIM mulheres subindo pelas paredes! Como eu disse antes, nós só precisamos de mais estímulos.

05 – Quando o assunto é tesão, as mulheres são bem diferentes dos homens

Para Kristen, a diferença de desejo entre os sexos giram mais em torno dos relacionamentos do que do próprio gênero. Não existem provas concretas de que mulheres sentem menos tesão do que os homens!

14/02/2014 Posted by | Sexo | Deixe um comentário

Sinfonia do Tabaco

avo uvezianTerno branco e chapéu panamá. Essas são as marcas do libanês Avo Uvezian, uma das mais legendárias figuras do mundo do tabaco. Vindo de uma família de músicos, Avo fez parte de um trio de jazz e compôs a música ‘Strangers in the night’, imortalizada na voz de Frank Sinatra. Sua paixão por charutos fez com que ele criasse uma marca de charutos altamente apreciada pelos aficionados.

Nascido em Beirute em 1926, Uvezian sempre foi apaixonado por música, escolhendo o piano como seu instrumento. Depois de viajar pelo Oriente Médio com seu grupo ‘The Lebanon Boys’, ele se mudou para os Estados Unidos para estudar música na Juliard, em Nova York. Seus estudos foram bruscamente interrompidos com a convocação para a Guerra da Coréia, na década de 50. Depois de ser dispensado dos serviços militares em 1952, ele mudou-se para Porto Rico, onde se tornou um grande apreciador de charutos.

Depois de uma viagem à Suíça onde não encontrou seus charutos preferidos, Uvezian decidiu criar sua própria linha de charutos. Depois de se unir ao produtos dos charutos Davidoff, Hendrick Kelner, ele criou a marca Bolero, em 1987, que era vendida em Porto Rico. Um ano depois do lançamento, começaram a ser vendidos em Nova York, na loja da Davidoff, com o nome de Avo. Bastante suaves, os charutos Avo foram bem aceitos no mercado americano e, em 10 anos mais de três milhões de unidades eram vendidas anualmente. No ano em que as vendas alcançaram 750 mil unidades, Avo Uvezian fez um acordo com a Davidoff, que comprou a marca, e ficou responsável por sua representação mundial. Ele se tornou um embaixador da boa vida, sendo o ‘garoto-propaganda’ da marca e de seu lifestyle.

Inspiradas na carreira musical de Avo, nasceram as linhas Avo XO Trio, composta pelo XO Maestoso, XO Prelúdio e Intermezzo; e Avo XO Quarteto, composta pelos charutos Presto, Allegro, Serenata e Notturno. Há também os charutos da linha Domaine Avo, mais encorpados e marcantes, lançados para agradar os aficionados que preferem baforadas mais fortes. Verdadeiros clássicos entre os apreciadores!

www.avo.com

14/02/2014 Posted by | Tabaco | Deixe um comentário

Vêneto: entre amores e vinhos

VenetoConhecer a Itália é o sonho de muitas pessoas que apreciam vinho e gastronomia, uma vez que o país é berço de excelentes rótulos e comidas excepcionais. Mas, longe da agitação italiana encontra-se o Vêneto, uma região famosa pela beleza, romantismo e vinhos.

Essa região, que está localizada no nordeste da Itália e próximo à Veneza, tem uma ligação especial com o Brasil, uma vez que de lá imigraram muitos italianos para a Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul, e ajudaram a inserir os brasileiros no mapa mundial de produção e consumo de vinhos.

Vêneto é a maior exportadora de vinhos de seu país e, também, a mais conhecida das três regiões que compõem o chamado Tre Venezie, sendo as outras duas Friuli-Venezia Giulia e Trentini-Alto Adige. E dentro da região do Vêneto se encontra uma sub-região famosa mundialmente, Verona, que foi o cenário da história de amor mais marcante até hoje: Romeu e Julieta, de William Shakespeare.

O romance, inclusive, serviu de inspiração para o recente filme Cartas para Julieta, que mostra em detalhes a pequena área que seduz os milhares de turistas que por ali passam anualmente. Além do passeio turístico pela Casa da Julieta, onde é possível pendurar cadeados com nomes de casais com o intuito de eternizar o amor, Verona é considerada a capital não-oficial dos vinhos do Vêneto.

Foi a partir da década de 1960 e 70 que Vêneto ganhou fama em grandes negócios, quando a região passou a produzir grande quantidade do vinho branco Soave e dos tintos Valpolicella e Bardolino. Além desses, o tinto Amarone e o espumante Prosecco, integram a lista dos principais vinhos da região. Vêneto também é conhecido por produzir vinhos doces, estes feitos pelo método recioto, que concentra o açúcar das uvas.

Já o Prosecco também é famoso na Itália porque é o ingrediente principal para a elaboração de um dos drinks de mais sucesso em Veneza: o Bellini. O espumante é tradicionalmente misturado com suco de pêssego para fazer este coquetel, que dizem que é divino. Outras uvas, no entanto, podem ser encontradas em excelente qualidade, como a Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Merlot, Pinot Grigio, Corvina, Molinara, Rondinella e Negrata.

Verona: uma viagem inesquecível…
Lindo para ela e perfeito para ele, isto se ele gostar de vinhos. Os casais que vão visitar esta região, certamente, não vão se arrepender, já que o local esbanja charme e romantismo e, por isso, é um atrativo e tanto para as moçoilas. Eles não precisam se preocupar com tédio, ainda mais se gostarem de vinhos, uma vez que é ideal para os amantes da bebida.

Além disso, a parte gastronômica é fantástica, assim como em toda a Itália. Vale a pena beber vinho na tradicional Bottega del Vino, que está no centro histórico e também visitar as principais vinícolas da região, como a Novaia, que recentemente foi restaurada e renovada, tanto em estruturas e equipamentos, a bela Fratelli Zeni e a Vinícola Francesco Manzini, localizada em áreas montanhosas, o vinhedo utiliza as técnicas mais tradicionais da região. Foi assim que adaptou o famoso Rosso italiano e criou um vinho único, expressão máxima dessa região.

Mas, se quiser se aprofundar mais em seus vinhos é promovido anualmente a Vinitaly, na cidade de Verona, que junto com a Vinexpo, de Bordeaux, ocupa a liderança de sucesso das feiras mundiais de vinhos.

Se você for à Itália, vale a pena conhecer o Vêneto e suas sub-regiões. Com certeza, você vai se encantar com a história, cultura e paixão que o local transmite e, é claro, seus vinhos fantásticos.

Saúde!

14/02/2014 Posted by | Vinhos | Deixe um comentário