PrimeLife (Ano VI)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Perdoar ou Esquecer

L023Erro é do humano. E humano se faz por demais na execução de errar.
Erra de desleixo, de excesso e de capricho. Erra por bem e mal querer.
Eu mesmo sou errador de constância no sem querer.
Mas erro dos mais doidos é o erro de injustiça cometida ou vitimada.
Há dor de proporção e frequência desigual e acentuada se vitimar de erro dos outros. Mais ainda quando é erro de intenção, vontade e querer.
Sofrer vitimação de injustiça chateia, enraiva e aperreia.
Mas não é modo de resolução, nem alívio de alma e coração executar vingança e devolver com moeda mesma que só compra sofrer.
Esse engano de fazer repetência e insistência só no errado e no sofrer há de lhe afogar e perecer.
Em ocasião de mal querer e mal agir em vício humano, de vítima ou algoz, remédio de maior valia que consola e abranda alma e coração é o perdoar ou esquecer.
Dos dois, esquecer é de menos nobreza, pois memória de gente dá de teimosia, de não desfazer das lembranças as que mais causou sofrer.
Assim pois, perdoar carece mais. Carece de precisar e de valor ter. Sofrimento perdoado deixa duro e calejado, faz-se fermento de alma, no crescer e fortalecer. Faz do erro enganado ou intencionado, ensinamento e aprendizado.
O perdão é libertação da mágoa e do sofrer.

por Myleo Geraldo

Anúncios

30/06/2015 Posted by | Poesia | Deixe um comentário

A beleza da imperfeição

beleza da imperfeição1Certo dia, a tempos atrás, eu impedi a minha mãe de fazer algo terrível: jogar fora uma concha com décadas de história que havia pertencido a sua mãe. Aquele pedaço de metal rugoso parece ser tão mais antigo e esconde uma beleza que não me permitiu deixa-la jogar fora.

Jamais pensei que fosse comentar esse episódio banal algum dia, tampouco escrever, mas ele passou a fazer sentido quando eu me deparei com uma antiga filosofia japonesa chamada wabi-sabi (não confundir com o tempero verde que acompanha o sushi). O termo usado há séculos prega a valorização do imperfeito, do antigo e da simplicidade e vai na direção oposta da sociedade consumista que ama o novo e as compras.

O jeans rasgado da moda ou do punk, a pátina nas paredes, os tijolos à mostra inspirado nos lofts de Nova York e os móveis feitos com madeira de demolição são alguns exemplos de que realmente existe beleza na imperfeição. Entretanto, eles não carregam os valores da filosofia oriental, que surgiu no final do Japão feudal como sinal de protesto às suntuosas cerimônias de chá promovidas pelos ricaços da época.

Tomar chá com alguém é tradição há séculos no oriente, um costume proveniente da tradição Zen, mas que deixou de ser uma atividade simplória e afetuosa para se tornar um meio de demonstrar riqueza e poder no Japão feudal.

Naquela época, era costume dos senhores feudais terem seus mestres de chá — que coletavam ervas e preparavam as cerimônias. Um deles era Sen no Rikyū que devido a confiança que tinha do seu senhor, tomou a liberdade de criar um novo jeito de tomar chá. Rikyu que havia recebido treinamento da escola Zen quando jovem, introduziu coisas do dia a dia, tornando a cerimônia muito mais simples e calorosa. Como ele trabalha para um poderoso senhor da época, o novo jeito de tomar chá ganhou popularidade e acabou se tornando o padrão.

Rikyu usava lugares pequenos em que os convidados (em menor número) pudessem ficar próximos, flores em cestos de pescadores para decorar e introduziu conchas e tampas e a chiquérrima porcelana dera lugar à madeira e o bambu. Ele dava preferência a objetos fabricados localmente em vez dos caríssimos vindo da China. Isso deu aos japoneses daquela época (acostumados à dualidade da guerra, luxo e destruição) uma nova perspectiva. Agora, tomar chá com alguém não era exclusivo dos mais ricos. Estava ao alcance de todos.

A origem da palavra wabi se deu na poesia e como descreve o livro Less Is More, é “o que você sente quando está esperando o seu amor”. Sabi significa “o desabrochar do tempo”. Não se sabe quando elas se uniram nem como, mas juntas seu significado ganhou poder promovendo um estilo de vida frugal, que valorizava a idade, a imperfeição e a ordem natural das coisas.

Pegando emprestado uma frase do livro, “wabi-sabi é imperfeição: um amado vaso desgastado ou uma velha e marcada mesa de madeira.” Como a concha da minha avó. A primeira lição da cerimônia de chá baseada no wabi é encontrar e admirar beleza em cada utensílio, reverenciando objetos que usamos diariamente.

Enquanto o wabi-sabi lhe ensina a valorizar a imperfeição e os efeitos do tempo, mas não a sua deterioração completa, o Kintsugi, uma outra espécie de filosofia oriental, surgiu a partir da reconstrução de algo destruído para criar algo novo, mais belo e valioso, ao enfatizar as marcas da destruição. Vou explicar melhor.

beleza da imperfeição2

O Kintsugi é a arte de reconstruir cerâmica com ouro, prata ou platina. O resultado é algo belo, diferente e, mais importante, que carrega uma história em que o dano deu origem a beleza.

Nascido quase na mesma época do “The Way of Tea” de Rikyu, o Kintsugi nasceu da insatisfação de um líder samurai com a forma com que os chineses haviam consertado uma tigela (usando grampos) que ele havia enviado. Então, artesãos japoneses desenvolveram um novo e belo método de conserto que agradou tanto que pessoas passaram a quebrar suas próprias peças para poderem aplicar o Kintsugi.

Trazendo para a nossa vida, o Kintsugi é uma outra forma de ver beleza na imperfeição e acreditar na renovação. Ele permite que possamos prosseguir — de um jeito melhor ainda — após o erro, a tristeza e a destruição. Para a banda Death Cab for Cutie que batizou seu novo disco com a palavra japonesa (e onde conheci a palavra), Kintsugi é continuidade. O que faz todo sentido para uma banda que depois de 17 anos perde seu fundador e passa a ser um trio em vez de um quarteto.

Desde cedo, somos ensinados que velho é um sinal para substituir. Se está quebrado, deve ir para o lixo. E que, de tempos em tempos, é bom dar uma renovada na casa, no guarda-roupas e onde mais a conta bancária permitir. Adoramos o novo, o belo, o perfeito. Porém, o novo tem uma característica cruel, a efemeridade. Logo perde o que o torna tão valioso e nos leva de volta à busca sem fim por alguma outra novidade.

Todos nós temos uma história, e eu acredito que são as marcas que carregamos que definem se essas histórias merecem ou não ser contadas. São os altos e baixos que dão ritmo à vida, sem a tempestade não daríamos valor à calmaria. Precisamos parar de dizer que “o tempo é cruel”, que ele não perdoa. Somos nós os cruéis, somos nós que não perdoamos. Somos nós que tornamos ele o vilão ao dizer que ele é sempre insuficiente.

A beleza não está no objeto, mas nos olhos. Como uma vez escreveu Henry David Thoreau, um dos principais nomes do transcedentalismo (movimento inspirado pelo wabi-sabi), “Não é o que você olha que importa, mas o que você vê.”

 

29/06/2015 Posted by | Arte | Deixe um comentário

Como usar o Whey Protein para turbinar o corpo sem riscos

whey2O chamado “Whey Protein” deixou de ser alimento exclusivo dos marombeiros e se tornou uma verdadeira febre entre homens e mulheres que desejam alcançar um corpo saudável, magro e definido.

O produto nada mais é do que um suplemento tirado do soro do leite, rico em proteínas, Se consumido da maneira adequada, ele pode ser um bom aliado da saúde.

De acordo com a nutricionista da área esportiva Bianca Evans, embora algumas pessoas usem a fórmula em dietas para perder peso, os principais benefícios desse item são ajudar o processo de regeneração das fibras musculares e favorecer o ganho de massa muscular.

O problema é se o whey é usado de maneira incorreta, sem acompanhamento profissional de um médico ou nutricionista. “O uso indiscriminado e sem orientação pode resultar na sobrecarga dos rins e fígado”, afirma a especialista.

Para não correr esse risco, vamos conferir algumas informações essenciais sobre o suplemento para conquistar o corpo dos sonhos.

Whey Protein é bom apenas para quem malha

Segundo a nutricionista Bianca Evans, o suplemento proteico à base de soro de leite é indicado somente para atletas e pessoas que praticam atividade física, já que sua finalidade é suprir as perdas causadas pelo exercício e ajudar a recuperar as fibras musculares rompidas. 

Não é recomendável substituir refeições por Whey

Para aqueles que desejam emagrecer, Bianca deixa claro: o Whey Protein não pode ser utilizado como substituto de refeições (café, almoço ou jantar), pois, como já foi dito, é feito para satisfazer as necessidades de quem pratica exercícios.

“O máximo que se pode fazer é substituir um lanche pós-treino, de acordo com a rotina e os horários da atividade física”.

Se não consumido corretamente, Whey pode engordar

É isso mesmo. A nutricionista alerta que, sem o acompanhamento adequado de um profissional, o tiro pode sair pela culatra.

Se o desejo da pessoa é basicamente emagrecer (e não ganhar músculos), melhor do que ingerir o suplemento é tomar um shake substituto parcial de refeição, sem se esquecer de levar uma rotina alimentar saudável e equilibrada. Isso porque, segundo Bianca, o whey é mais calórico do que a bebida sugerida pela nutricionista.

Suplemento deve ser consumido apenas nos dias de treino

Para evitar os possíveis danos causados pelo uso indiscriminado, como a sobrecarga nos rins e no fígado, Bianca afirma que o Whey deve ser consumido somente se a pessoa fez atividade física e até 30 minutos depois do treino. “No dia em que não fizer exercício, não se deve tomar”, diz.

Consumo deve ser indicado e acompanhado por especialista

“Um indivíduo tem, em média, a capacidade de absorver até 25g de proteína no pós- treino, mas a quantidade limite deve ser determinada por um médico ou nutricionista”, afirma Bianca.

Ela informa que esse cálculo é próprio para cada indivíduo e leva em conta a rotina de exercícios, o sexo, a idade, o peso e outras informações relevantes sobre o paciente. São esses especialistas que irão dizer se o indivíduo precisa (e de quanto precisa) do whey para definir os músculos.

por Luciana Carvalho

 

 

 

 

29/06/2015 Posted by | Estilo, Saúde | Deixe um comentário

Audi R8 V10

audir8v10Projetar um carro esportivo realmente avançado é um dos maiores desafios no design de automóveis. É onde a precisão técnica e o desempenho são colocados no limite da viabilidade. No novo Audi R8 Coupé, nossos designers e desenvolvedores foram bem- sucedidos ao criar um carro que incorpora nossa perfeição automotiva e design inovador.

O design do Audi R8 deixa bem claro.

As linhas laterais fortes e claramente estruturadas enfatizam sua origem – nas competições automobilísticas. Sua forma cheia de estilo com frisos característicos promete uma dinâmica potente e irresistível, que o carro ostenta de forma convincente.

Frente

As quatro argolas da marca não estão em sua posição normal na grade, eles estão sobre o capô. Isso faz a ponta frontal parecer ainda mais baixa e mais próxima da estrada. As duas entradas de ar largas cortam a estrutura única esportiva da Audi. Elas são um elemento de design importante, mas também garantem que o ar resfriado seja fornecido para o motor de alto desempenho e para os freios.

Os faróis de LED

O novo design dos faróis torna o Audi R8 facilmente reconhecível, de dia ou de noite. Isso acontece principalmente devido à aparência característica da faixa de luzes diurnas que contornam e enfatizam as lentes dos faróis baixos flutuantes. As 6 matrizes de LED nas câmaras refletoras se acendem junto com os faróis para iluminar a estrada por igual com a agradável e brilhante cor de luz das lâmpadas de LED. O indicador está integrado na luz diurna superior como uma linha claramente definida. Além disso, o Audi R8 agora possui uma luz giratória estática que, dependendo do ângulo do volante especificado, é ativada automaticamente em velocidades de até cerca de 70 km/h ou em velocidades de até 40 km/h com o indicador ativado para iluminar o curso da estrada com os faróis de LED.

As lanternas traseiras de LED

Além dos faróis, as lanternas traseiras também usam a tecnologia de LED. Aqui, uma faixa de luz de LED contorna o interior recém-projetado da unidade de luz. Ela contém a luz de freio com 24 LEDs e a luz de ré que também usa a tecnologia de LED. O indicador contém 30 LEDs e está localizado na borda inferior das lanternas traseiras, onde ele torna a indicação de direção dinâmica possível pela primeira vez. A alteração na direção pretendida é indicada pelos LEDs em 7 unidades ativadas, chamando mais a atenção dos veículos que estão atrás.

 Motor central V8 ou V10 com tração quattro® permanente nas quatro rodas.

O motor central é apresentado de maneira confiante abaixo da janela traseira, como uma obra de arte em uma grande vitrine. Quando o veículo está em ponto morto, a iluminação do compartimento do motor pode colocar o motor em destaque.

Frisos laterais

Os frisos laterais são característicos da visão lateral. Além de desempenhar sua função de desviar a entrada do ar refrigerando o motor, eles são um elemento de design característico. Na versão V10, os frisos laterais são vazados, na versão V10 plus, eles são feitos de carbono para enfatizar a característica leve.

Aerofólio traseiro

O aerofólio traseiro eletricamente extensível garante uma downforce adicional. Seja pelo controle automático dependente de velocidade ou pelo botão de controle manual no cockpit.

26/06/2015 Posted by | Carros | 1 Comentário

Poligamia é cada vez mais popular nos Estados Unidos

poligamiaUm homem e seu harém. Nos EUA, a ideia não é tão absurda quanto parece. Enquanto em 2001 apenas 7% dos americanos viam a prática da poligamia como algo “moralmente aceitável”, agora 16% considera que é favorável, de acordo com uma pesquisa feita pelo instituto Gallup.

Apesar de o percentual ainda dizer respeito a uma minoria, há de se considerar que, entre os 19 “tabus” abordados pelo estudo, a questão da poligamia foi a que experimentou a maior mudança no sentido de aceitação. Em seguida, vêm as relações homossexuais, ter uma criança fora do casamento, divórcio e pesquisas médicas em células-tronco obtidas de embriões humanos. Atualmente, nos EUA, é ainda mais aceitável ser polígamo do que manter casos extraconjugais (que apenas 8% dos americanos consideram moralmente permissível).

A cultura pop pode ter contribuído para democratizar a poligamia, que virou tema da série “Big Love”, da HBO, e de dois reality shows, “My Five Wives” e “Sister Wives”. Mas, segundo o jornal francês “Figaro”, há quem atribua esse desenvolvimento a “uma visão libertária, um laissez-faire dos jovens americanos em relação a sexo, casamento e vida familiar” enquanto outros veem um “colapso de valores” ou uma consequência do lobby LGBT.

A origem desta mudança, no entanto, pode ser mais complexa porque a prática polígama tem várias influências, diz Samantha Allen, jornalista do site “Daily Beast”. Segundo ela, os polígamos nos EUA estariam entre 50 e 100 mil pessoas, a maioria mórmons fundamentalistas e muçulmanos, sendo que a maioria é polígama (um homem com várias mulheres) e não poliândrico (uma mulher com vários homens).

Alguns observadores já preveem a legalização – ela será reconhecida “em 2040, em meio à indiferença geral”, disse o colunista Ross Douthat, em um artigo do New York Times -, mas ainda há um caminho a ser percorrido. Até porque a prática continua muito associada a problemas como violência doméstica, crimes, doenças mentais e estupro. Há, portanto, pouco risco de ver tão cedo uma multiplicação de famílias com um homem e várias mulheres – e vice-versa – que vivem sob o mesmo teto.

26/06/2015 Posted by | Comportamento | Deixe um comentário

Evite o Câncer

HPYLOR1Segundo estudo publicado no periódico BMC Medicine (Inglaterra) pessoas com tipo A, AB e B têm 55% mais risco de desenvolver tumores no estômago em comparação com as com tipo O. “A resposta inflamatória do organismo desses indivíduos à ação da bactéria H.pylori (causadora de úlceras no estômago) é diferente, o que pode levar ao problema” explica Arash Etemadi, doutor em epidemiologia.

Dentre esses três grupos sanguíneos, um é mais propenso ao mal.

“Quem possui sangue tipo A é mais suscetível a ter úlcera e câncer no estômago”, diz Eduardo André, doutor em gastroenterologia. O câncer é uma doença provocada por diversos fatores. Além da herança genética e reação à bactéria H.pylori, álcool, tabaco e conservantes alimentares contribuem para o aparecimento de tumores.

Portanto, evite exageros.

26/06/2015 Posted by | Dicas, Saúde | Deixe um comentário

Avaliação da fragrância Acqua di Gio da Armani

acqua1

Giorgio Armani apresentou o primeiro “Acqua di Gio pour Homme”, em 1996 e cresceu para se tornar o perfume ideal para todo homem desejado. Agora, quase duas décadas depois, a marca oferece uma nova versão deste perfume – o “Acqua di Gio Profumo”. Elegante e arejado, a fragrância simboliza a união das ondas do mar com pedras pretas.

 O perfume “Homme” mais intenso e dramático, foi seguido por Acqua di Gio e lançado em 2012. Era uma versão sensual e eclética. O Profumo é mais sofisticado e fresco. Este perfume mesmo sendo de homem, pode ser usado por ambos os sexos, graças suas notas refrescantes. A primeira impressão do Profumo era a de um forte cheiro cítrico seguido por uma sensação oceânica das rochas do mar.

acqua2

Após o primeiro contato, o elixir se abre com nota de um tempero misturado com gerânio, sálvia e alecrim. Definindo sobre a pele, o perfume irradia um arborizado lado sedutor.

 O perfume está contido em um frasco preto exibindo linhas retas da Armani onde o prazer é absoluto.

 O “Acqua di Gio Profumo” está disponível em 40, 75 e 125 ml em todas as principais lojas.

26/06/2015 Posted by | Perfumes | Deixe um comentário

Um treino de 15 minutos à prova de desculpas

 fitness 13Um treino de 15 minutos que só usa 2 halteres para você não deixar de se exercitar nos dias que sua agenda está complicada.

  • DESENVOLVIMENTO DE OMBROS COM HALTERES: Sentado, segure os pesos acima dos ombros. Os cotovelos devem ficar flexionados e a palma adas mãos voltada uma para a outra. Contraia o abdômen. Estenda os braços e eleve os halteres acima da cabeça. Execute 10 repetições 

 

  • REMADA CURVADA COM HALTER: Segure o peso com a mão direita e a palma voltada para trás. Apoie a mão e o joelho esquerdos no banco. Flexione o cotovelo direito e aproxime o halter do abdome. Retorne. Faça 10 repetições. Depois, execute o movimento com a outra mão.  

 

  • AFUNDO CÁLICE INVERTIDO: Segure o peso na vertical, com as duas mãos à frente do peito. Dê um passo largo para trás com a perna esquerda. Agache até os joelhos formarem ângulos de 90 graus. Volte. Realize 10 repetições. Depois, execute o movimento dando o passo para trás com a perna direita.

Por Patrick Striet, treinador americano especializado em força e condicionamento

26/06/2015 Posted by | Fitness | Deixe um comentário

Louis XIII: o brinde perfeito para o inverno

O cognac francês é escolha certa para aquecer os dias frios da estação.

r.martin1

Para aproveitar o inverno, a Maison Rémy Martin oferece o prestigiado cognac Louis XIII. Reconhecido como o melhor do mundo, o cognac é a perfeita união do tempo com o trabalho em equipe, o que resultou em um destilado de até 1.200 eaux de vie, um diferenciado e raro mix de exclusividade.

r.martin2

O aroma do cognac é apimentado, e seu sabor é uma harmonia sutil de figo, gengibre e sândalo, que toma conta do paladar por horas. São toques aveludados, que combinam com o clima da estação mais fria do ano, para proporcionar uma experiência única.

r.martin3

No Brasil, o valor da garrafa é de R$ 13 mil. A bebida também pode ser degustada em dose e meia-dose, em hotéis como Fasano, Unique, Copacabana Palace e Emiliano, por cerca de R$ 1.500,00.

26/06/2015 Posted by | Bebidas | Deixe um comentário

Diante das conquistas femininas, o homem abre o coração e assume que quer carinho

homem frágilTrancado do lado de fora de casa completamente despido, o protagonista do conto “O homem nu”, de Fernando Sabino, enfrenta o escrutínio alheio enquanto, próximo ao desespero, busca uma maneira de resolver sua incômoda situação. Uma jornada que serve de metáfora para os conflitos vividos pelo macho heterossexual diante das novas demandas femininas. A diferença entre ficção e realidade é que, hoje, muitos deles estão dispostos a expor os seus corpos e sentimentos em busca de uma vida mais leve — em casa, no trabalho, na cama. Sim, o homem está nu e não é para “comer” uma menina 20 anos mais jovem.

Não é novidade que o modelo tradicional do heterossexual — provedor, viril, forte e racional — está em crise. A liberdade conquistada pelas mulheres (e suas inúmeras possibilidades de escolha) tirou deles a obrigação de dar segurança a elas. E mais: permite aos homens expor suas próprias demandas, como explica a antropóloga Mirian Goldenberg:

— Nas minhas pesquisas, as mulheres dão uma lista com 500 queixas. Eles apresentam apenas uma, básica: falta de cuidado e de gentileza. Elas dizem que eles querem uma mãe, mas eu nunca ouvi um homem falar isso. O que eles pedem é carinho físico. Querem perceber que elas pensam neles — conta Mirian, que lança no dia 23 o romance “Sexo”, em que narra as neuras de uma mulher à espera do telefonema dele após uma noite de sexo casual. — As mulheres vivem uma situação paradoxal, entre a liberdade conquistada e os valores românticos que ainda persistem. Elas querem coisas a que nenhum homem consegue corresponder. Elas querem o George Clooney! — diz.

Aprisionados entre os seus próprios desejos e a pressão para ser George Clooney, estariam os homens na berlinda?

— Eu diria que os homens estão num processo de transformação, ainda um pouco perdidos. É como se viesse uma onda gigantesca e os derrubasse. Eles caem, levantam meio destrambelhados, e lá vem outra onda e os derruba. E, assim, ainda não conseguiram chegar à areia sãos e salvos — resume o jornalista Sergio Haziot, autor do blog “Como conquistar uma mulher”. — No Brasil, infelizmente, ainda há machões e mimados. Mas há algo novo surgindo, timidamente — diz.

Algo novo, certamente, foi o que vimos esta semana. A atriz Zoe Saldana veio a público afirmar que o marido adotaria o seu sobrenome, tornando-se Marco Saldana. No Facebook, ela escreveu: “Homens, vocês não vão deixar de existir por adotarem o sobrenome de suas companheiras”. Por aqui, a editora Intrínseca anunciou que “Grey”, novo livro da série “50 tons de cinza”, será lançado no Brasil em setembro. Nele, a história é contada pelo ponto de vista do homem, do sexo safadinho aos motivos que levaram o protagonista Christian Grey a cair de amores por Anastasia Steele. O canal GNT estreou “Papo de Segunda”, uma espécie de versão masculina do “Saia Justa”, em que quatro homens conversam sobre tudo: do futebol ao comportamento feminino. Sem falar que o corpo mais comentado dos últimos dias não foi o de uma mulher, mas o do ator Rodrigo Lombardi, no primeiro capítulo da novela “Verdades Secretas”.

— Os homens estão ressignificando o seu lugar — afirma a diretora do GNT, Daniela Mignani, que encomendou um estudo sobre a relação entre homens e mulheres. — Hoje, eles são mais parceiros delas e estão se abrindo, a ponto de prepararmos uma temporada do programa “Boas-vindas” sob a perspectiva da paternidade — conta Daniela. O canal também decidiu apoiar a campanha da ONU Mulheres #HeForShe, que busca conscientizar os homens para a igualdade de gêneros. Com o nome de #ElesPorElas, o GNT quer coletar 100 mil assinaturas de homens brasileiros.

O mesmo movimento que faz homens se engajarem em campanhas pela igualdade de gêneros tem lhes permitido abrir o verbo, como faz bem o músico Leo Jaime: “Ninguém se preocupa com o fato de o homem heterossexual viver dez anos a menos do que as mulheres”, “Quando ela é a figura forte do casal, o homem é estigmatizado”, “As mulheres esperam que a gente tenha solução para tudo” e “Homens também gostam de ser cortejados”.

— Há um formato machista que ainda fundamenta os relacionamentos, levando o homem a lidar de uma forma rude com sua sexualidade e suas emoções. Os brasileiros são mal resolvidos e não têm uma vida sexual boa, mas dizem coisas como “Eu sou homem e não preciso de ajuda” ou “Não existe trepada ruim, só trepada perdida”. Isso tudo é uma bobagem — resume Leo.

Companheiro de Leo Jaime no “Papo de Segunda”, João Vicente de Castro acha que os dias do machão estão contados:

— Acho que caminhamos para um modelo de relacionamento igualitário, sem estereótipos de gênero. A vida fácil está terminando para o cara que se acha o fodão. Como é feio ser machista, eles não falam nada, mas sentem o desconforto. Se homem fosse seguro, não teria tanto medo do feminismo.

Essa insegurança bate à porta dos psicanalistas, como narra o terapeuta de família Moisés Groisman:

— A maior parte dos casais que me procura o faz por iniciativa da mulher. Muitos homens foram treinados para ser como o avô e o pai e não conseguem acumular várias funções. Eles têm se sentido muito solicitados e ainda não sabem como lidar com isso. Mas há uma geração entre 30 e 40 anos que tem colaborado mais — explica.

Em meio a seus conflitos, uma coisa eles têm como certa: a mulher real é sexy, nos conta Leo Jaime:

— As coisas com as quais as mulheres se preocupam estão longe do interesse do homem. Se um cara reclamar que a mulher não está depilada, pode mandá-lo embora porque ele não é do ramo. E não precisam comprar lingerie cara ou fazer pose. Calcinha bonita é calcinha no chão!

Por Renata Izaal

26/06/2015 Posted by | Artigos, Comportamento | Deixe um comentário