PrimeLife (Ano V)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Volta ao Mundo com a Pinot Noir

chiantiA uva mais sensual de todas, a uva mais difícil de cultivar, a pérola negra das uvas, a uva queridinha da França, da Califórnia, da Nova Zelândia… Tem tinto, tem Champagne, tem rosé… É a Pinot Noir.

Não dá para ser imparcial com um Pinot Noir à taça – ou se ama, ou se odeia. Delicada desde a vinha, o seu desenvolvimento é sempre incerto e pode mudar drasticamente com menor que seja a variação climática, inesperada ou não.

Além disso, ela precisa de frio para crescer perfeitamente. Já deu para ver que é uma das uvas mais difíceis de ser trabalhada. Talvez por isso não está em todas as partes do mundo (como a Cabernet Sauvignon, por exemplo).

Seu berço, a Borgonha

A Borgonha faz alguns dos melhores, mais cobiçados e caros Pinots do mundo. Ela é a estrela da região. É o principal terroir para o cultivo da uva. Dizem até que são os vinhos mais sensuais da casta, e os mais terrosos também.

Para um Pinot, melhor do que trazer Borgonha escrito no rótulo, é estampar Côte de Nuits, principal denominação para a cepa dentro da própria região.

Há evidências do seu cultivo há mais de dois milênios, porém registros oficiais garantem seu cultivo na região desde 1375, quando a Gamay foi proibida por lá.

Champagne, suas bolhas e Pinots

A Pinot Noir é a protagonista, mas tem seu papel garantido nos espumantes mais famosos do mundo, ao lado de Chardonnay e da Pinot Meunier. Com exceção dos Blanc de Blancs, quando só a Chadonnay é usada, é uma das variedades mais reverenciadas e usadas na região francesa.

Mesmo que o contato com a casca seja mínimo, até por isso não se vê Champagnes tintos por aí, elas contribuem com corpo, estrutura, textura e aromas de frutas vermelhas. Se o Champagne for 100% Pinot Noir, o que pode acontecer, então o rótulo trará a informação “Blanc de Noir”.

Pinot Noir no Brasil?!

Há quem duvide do potencial do Brasil para produção de vinhos finos. Bobagem. Além do Rio Grande do Sul ter se firmado no cenário vitinícola do país, inclusive, com grandes Pinots, Santa Catarina tem despontado com potencial no cultivo da difícil variedade.

Aqui, além dos toques terrosos e frutados, os vinhos da cepa ganham um toque da tipicidade nacional, o tão falado aroma de terra molhada. E pensar que a Pinot é também uma das castas mais importante para os espumantes, e que o Brasil tem mostrado cada vez mais que vinhos com borbulhas são o que sabe fazer de melhor.

Para os vinhos tranquilos, procure por Pinots das vinícolas Angheben e Atelier Tormentas; para os espumantes, Cave Geisse e Adolfo Lona.

A Pinot na América

Presente em praticamente todas as vinícolas de Oregon, a Pinot é a mais prestigiada uva por lá. Foi a cepa que colocou o estado norte-americano no mapa de vinhos. Nas melhores safras, dá origem a vinhos terrosos e até macios.

Assim como é em Oregon, alguns dos maiores vinhos californianos são feitos de Pinot Noir. Complexos, terrosos e macios, têm ganhado bastante fama mundo afora, e se superam ano a ano. Além disso, também estão presentes em espumantes, em cortes com Chardonnay, Pinot Meunier e Pinot Blanc. Algumas denominações da Califórnia, porém, são melhores para o desenvolvimento da casta. São elas: Sonoma Coast, Santa Maria Valley, Santa Ynez Valley, Carneros e Anderson Valley.

Chile e o frio das montanhas

Para nossa surpresa, o Chile tem feito Pinots. Foi introduzida recentemente no país, mas se adaptou bem em algumas regiões e está dando resultados surpreendentes. É no Chile que a cepa ganha notas de frutas negras, um toque picante e até folhas secas, isso, claro, além das frutas vermelhas e dos terrosos. Ela está em Casablanca, San Antonio e Bío Bío.

Pinot Noir nas ilhas da Nova Zelândia

É a Pinot Noir a uva tinta mais plantada de toda a Nova Zelândia, e seus vinhos são especialidade no país. Além de ser usada para vinhos tranquilos, também está presente em espumantes. Foi em Malborough, localizada na ponta noroeste da Ilha do Sul, uma das maiores ilhas da Nova Zelândia, que a Pinot melhor se adaptou. Dias ensolarados e noites frias dão origem a Pinots frutados, que atingem uma tonalidade vermelha vibrante e com excelente potencial de guarda.

Profiter de cette belle raisin et la santé.

25/06/2015 - Posted by | Vinhos

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: