PrimeLife (Ano VI)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Um passeio pelo espaço numa ISS

Depois de quatro meses no espaço, o astronauta americana Sunita Williams gravou um tour pela Estação Espacial Internacional (ISS), antes de iniciar a descida a bordo de um Soyuz. A partir da cúpula de observação para o banheiro, para as caixas para camas, ela oferece uma perspectiva única sobre a vida diária no espaço.

 

Anúncios

28/11/2014 Posted by | Contemplação | Deixe um comentário

Fogos de Artifício

A história da pirotecnia provavelmente iniciou-se na Ásia, já na Pré-História. Mas, seguramente, podemos afirmar que a pólvora foi fabricada pela primeira vez, por acaso, na China há cerca de 2000 anos. Um alquimista chinês juntou acidentalmente salitre (nitrato de potássio), enxofre, carvão e aqueceu a mistura. Esta mistura secou como um pó negro, floculante, que quando queimado apresentava grande desprendimento de fumaça e chamas. Tal produto recebeu o nome de huo yao (“fogo químico”) e posteriormente ficou conhecido como pólvora. A pólvora foi empregada como projéteis explosivos em armas elementares de bambu e de ferro, semelhantes a flechas, desde o ano de 1304. Para fins pacíficos, ela somente começou a ser utilizada nos fins do século XVII em minerações e construção de estradas. O “fogo químico” foi o único explosivo utilizado até o século XIX, quando surgiram a nitroglicerina e a dinamite.

Já os chamados fogos de artifício datam de alguns milhares de anos antes de Cristo, isto é, em uma época muito anterior ao conhecimento da pólvora. Eles surgiram quando se descobriu que pedaços de bambus ainda verdes explodiam quando colocados em fogueira. Isso ocorria devido ao fato de que os bambus crescem muito depressa. Com isso, formam-se bolsas de ar e de seiva, que ficam presas dentro da planta, inchando e explodindo quando aquecidas.

Os ruídos resultantes assustaram inicialmente os chineses. No entanto, eles passaram a jogar caules verdes de bambus (pao chuck) em fogueiras durante festivais e comemorações com o objetivo de assustar maus espíritos. Mais de 2000 anos depois, foi observado que se bambus ocos fossem recheados com o já conhecido “fogo químico” e lançados ao fogo, o ruído resultante era muito maior. Eram os primeiros fogos de artifício a serem fabricados como conhecemos hoje.

O conhecimento da pirotecnia era difundido na China e na Índia durante séculos antes de se estender até a Europa por meio dos árabes e gregos. A arte de construção de fogos de artifício foi muito desenvolvida na Arábia no século VII, sobretudo pelo fato de os sais oxidantes de potássio serem bastante utilizados pelos alquimistas do Islã.

Posteriormente, acresceu-se à pólvora o uso de magnésio e alumínio. Estes metais permitiam a obtenção de um brilho nunca visto e de um número muito grande de efeitos luminosos. Com o advento da química moderna e descoberta de suas leis, muitos elementos foram estudados, assim como suas reações. Hoje em dia, diversos efeitos visuais foram acrescidos aos fogos de artifício com a mistura de diferentes substâncias, como:

– Nitrato + carbonato ou sulfato de estrôncio = vermelho – Nitrato + clorato ou carbonato de bário = verde – Oxalato ou carbonato de sódio = amarelo – Carbonato ou sulfeto de cobre + cloreto mercuroso (calomenano) = azul

Atualmente existem diversos tipos de fogos de artifício, e seus efeitos dependem da composição ou da estrutura da peça.

Entretanto, todos são construídos com fundamento em um mesmo princípio: armazenar o máximo de energia em um mínimo espaço.

Os chineses não são apenas os inventores dos fogos de artifício, eles ainda são os mestres.

Vejam este vídeo:

22/07/2014 Posted by | Contemplação | Deixe um comentário

Bela Natureza: Primavera

No próximo dia 21 teremos o início do Outono no hemisfério sul, e da Primavera no hemisfério norte. Vejam a transformação neste belo espetáculo da natureza.

15/03/2014 Posted by | Contemplação | Deixe um comentário

O Milagre da Vida se Renovando

http://www.youtube.com/watch_popup?v=8OcG4U4s5Ys&feature=player_detailpage

22/12/2013 Posted by | Contemplação | Deixe um comentário

Super Lua

super luaPara românticos e observadores, anotem na agenda.

Dia 23 de junho, domingo, ocorrerá a super Lua.

Este fenômeno, além de ser a maior Lua Cheia do ano de 2013 – o ponto em que o satélite natural da Terra fica maior e mais brilhante do que o comum – será também o encontro mais próximo da Terra com a Lua no ano de 2013.

O fenômeno é também chamado de supermoon ou “perigeu lunar”, já que a órbita lunar tem o formato de elipse, e não de círculo.

Ela estará 50 mil km mais perto da Terra. Para um observador no planeta, as Luas perigeu ficam 14% maiores e 30% mais brilhantes do que no apogeu.

A proximidade da Lua pode aumentar um pouco as marés, mas não há com o que se preocupar: as variações serão de apenas alguns centímetros a mais do que o normal.

A NASA, agência espacial americana, alerta também que as Luas perigeu não disparam desastres naturais.

Para quem quer tirar belas fotos, outra dica da NASA: o melhor momento para observar a Lua é quando ela ainda está perto do horizonte. Em contraste com árvores e prédios, ela parecerá ainda maior.

Super Moon in 2013

For romantics and observers annotate the agenda.

June 23, Sunday, the super moon will occur

This phenomenon, besides being the largest full moon of the year 2013 – the point at which the Earth’s natural satellite is bigger and brighter than usual – will also be the closest encounter of the Earth with the moon in 2013.

The phenomenon is also called supermoon or ‘lunar perigee’, as the lunar orbit is in the shape of an ellipse, not a circle.

It is 50,000 km closer to Earth. To an observer on the planet, perigee Moons are 14% larger and 30% brighter than at apogee.

The proximity of the Moon may slightly increase the tides, but there’s no need to worry: the variations are only a few inches more than normal.

NASA, the U.S. space agency, also warns that the perigee Moons do not trigger natural disasters.

For those who want to take beautiful photos, another tip NASA: the best time to observe the Moon is when she is near the horizon. In contrast to trees and buildings, it will seem even bigger

02/06/2013 Posted by | Contemplação | Deixe um comentário

Biblioteca do Castelo de Chantilly, Chantilly, França

Essa Biblioteca é parte de uma propriedade de franceses que também inclui uma das mais importantes galerias de arte da França.

A parte principal da propriedade (Grand Chateau) foi construído em 1528-1531 com o outro edifício anexo (Petit Chateu) a ser construído em 1560.

O Grande Chateau foi destruída durante a Revolução Francesa e, posteriormente, inteiramente reconstruída 1875-1881.

A biblioteca contém mais de 1300 manuscritos e 12.500 obras impressas, incluindo a Bíblia de Gutenberg e cerca de 200 manuscritos medievais.

Haroldo Wittitz: Author, Editor and Publisher

Library of the Castle of Chantilly, Chantilly, France

This library is part of a French property that also includes one of the most important art galleries in France.

The main part of the property (Grand Chateau) was built in 1528-1531 with another building attached (Petit Chateu) to be built in 1560.

The Grand Chateau was destroyed during the French Revolution and later completely rebuilt from 1875 to 1881.

The library contains over 1300 manuscripts and 12,500 printed works, including the Gutenberg Bible and about 200 medieval manuscripts.

10/06/2012 Posted by | Contemplação, Cultura | 2 Comentários

Timelapsing Through Trinidad

Timelapsing Through Trinidad, premiado filme mostra beleza do Sul do Caribe.

“Timelapsing Through Trinidad” (4min08seg) é um curta com vários filmes da ilha de Trinidad, a maior das 23 ilhas de Trinidad e Tobago, e que possui diversas das paradisíacas paisagens da América Central e do Sul do Caribe (além de bastante vento) – curiosamente, tem também uma pequena estátua do Cristo Redentor numa das sequências, realizada no Monte Saint Benedict.

Como o título diz, o filme usa o efeito de “time-lapse” (de “aceleração” do tempo) em todas as sequências e ganhou o Prêmio de Filme Mais Original no Chronos Film Festival de 2011. A música é “Globus”, da 1M1 Music.

http://player.vimeo.com/video/28271437?title=0&byline=0&portrait=0&color=ff9933

Kevin Huggins: Author

Haroldo Wittitz: Editor and Publishing

Through Timelapsing Trinidad, award-winning film shows the beauty of the Southern Caribbean.

“Through Timelapsing Trinidad” (4min08seg) is a short film with several of the island of Trinidad, the largest of 23 islands of Trinidad and Tobago, which has many of the idyllic landscapes of Central America and South America Caribbean (and windy) – interestingly, also has a small statue of Christ in one of the sequences, held at Mount Saint Benedict.

As the title says, the film uses the effect of “time lapse” (the “acceleration” of time) in all sequences and won the prize for Most Original Film Chronos Film Festival in 2011. The song is “Globus”, the Music 1M1.

19/05/2012 Posted by | Contemplação | Deixe um comentário