PrimeLife (Ano VI)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Cargas desnecessárias

borboletaUm viajante caminhava cansado pela estrada, levando uma grande pedra nas mãos. Nas costas ainda carregava um pesado saco de terra.
No caminho, uma pessoa viu sua dificuldade e lhe perguntou:
– Cansado viajante, por que carrega essa pedra tão grande?
– É estranho, mas eu não tinha realmente notado que ainda a carregava. Ela não tem mais utilidade para mim – disse o viajante.
Então, ele jogou a pedra fora e se sentiu muito melhor.
Mais adiante, outra pessoa cruza seu caminho e lhe pergunta:
– Por que carrega esse saco de terra tão pesado?
– Estou contente que me tenha feito essa pergunta – disse o viajante – porque eu não tinha percebido que não precisarei mais dele.
Desfez-se do saco de terra, e percebeu que tornou-se um homem mais livre e passou a caminhar mais tranquilo e feliz.

Qual era na verdade o problema dele? A pedra? O saco de terra? Não. Era o apego e a falta de consciência da existência desses pesos. Uma vez que as viu como cargas desnecessárias, livrou-se delas e já não se sentia mais tão cansado.

Coloquei esta breve e conhecida história porque ela nos traz um precioso ensinamento.
Abandone tudo aquilo que não condiz com seu caráter, sentido de vida, objetivos e metas.
Tudo que não agrega, que te distrai e te afasta da direção que decidiu dar à sua vida deve ser abandonado em favor desta causa maior.
Muitas pessoas não chegam onde desejam porque ficam prisioneiras do apego a hábitos, circunstâncias e outras questões.
O apego é uma âncora que mantém você preso onde está agora.

Reflita sobre isto!

Anúncios

25/06/2014 Posted by | Fábulas, Reflexões | Deixe um comentário

Que tipo de pessoa vive nesse lugar?

acolhendo o desconhecidoConta uma popular lenda, que pela manhã, um jovem chegou à beira de um oásis no deserto, junto a um povoado e, aproximando-se de um velho, perguntou-lhe:
– Que tipo de pessoa vive neste lugar?
– Que tipo de pessoa vive no lugar de onde você vem? – perguntou por sua vez o ancião.
– Oh, um grupo de egoístas e arrogantes – replicou o rapaz – estou satisfeito de ter saído de lá.
– A mesma coisa você haverá de encontrar por aqui replicou o velho.

No mesmo dia, à tarde, um outro jovem se aproximou do oásis para beber água e, vendo o ancião, perguntou-lhe:
– Que tipo de pessoa vive por aqui?
O velho respondeu com a mesma pergunta:
– Que tipo de pessoa vive no lugar de onde você vem?
O rapaz respondeu:
– Um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por ter de deixá-las.
– O mesmo encontrará por aqui – respondeu o ancião.

Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho:
– Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta?

Ao que o velho respondeu:
– Cada um carrega no seu coração um pouco do ambiente em que vive.

Todos os lugares têm todos os tipos de pessoas: boas e más, egoístas e caridosas, tristes e alegres… Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui.
Aquele que por onde passou encontrou amigos, também encontrará aqui, porque, na verdade, a nossa atitude mental é a única coisa na nossa vida sobre a qual podemos manter controle absoluto.
Devemos cultivar sentimentos bons, praticar a caridade e a humildade.
Assim, se aproximarão de nós pessoas que agem da mesma forma.
Nossa passagem aqui na terra é curta.
Devemos deixar sempre o melhor de nós.
Compartilhei esta breve história para refletirmos sobre o que temos carregado em nosso coração…

22/05/2014 Posted by | Fábulas | 2 Comentários

Os cavaleiros na escuridão

diamante-pra-sempreNum lugar distante, muitos e muitos anos atrás, um grupo de cavaleiros viajava numa noite escura com seus cavalos já cansados. Eles passavam por uma estrada íngreme e pedregosa. O cansaço e o desânimo estavam presentes em todos os membros do grupo.

A floresta era densa e a luz das estrelas mal conseguia passar por entre as folhagens das grandes árvores. O desejo de todos era parar e dormir. Mas a viagem não podia ser interrompida.

Nisto, uma forte voz surgiu, no meio da escuridão como um trovão. A voz ordenou que desmontassem de seus cavalos e enchessem suas sacolas com as pedras que havia no chão e só depois disso continuassem a viagem. A Voz ainda alertou que ao amanhecer alguns deles estariam alegres e outros tristes.

Alguns desmontaram, outros não. Uns pegaram muitas pedras, outros pegaram poucas e, alguns, vencidos pela exaustão e pela descrença, não pegaram nenhuma pedra.
Sem muita demora seguiram viagem.

Ao amanhecer, conforme a voz anunciara, alguns estavam alegres, outros tristes. Uns alegres porque não eram pedras comuns, eram diamantes! Outros tristes, arrependidos por não terem recolhido mais pedras e, muitos por não terem recolhido nenhum diamante.

Assim também é a vida. Às vezes não enxergamos as oportunidades que estão diante de nós. Muitas vezes temos grandes oportunidades à nossa frente, mas preferimos a acomodação. Depois nos arrependemos por ter perdido a oportunidade. Aí vemos que alguém garimpou mais, acreditou mais, criou, trabalhou, persistiu.

Estes são os verdadeiros vencedores.

19/03/2014 Posted by | Fábulas, Meditação | 1 Comentário

A Rosa e o Sapo

rosa-e-o-sapo“Era uma vez uma rosa muito bonita, a mais linda do jardim.
Mas começou a perceber que as pessoas somente a observavam de longe.
Acabou se dando conta de que, ao seu lado, sempre havia um sapo e por essa razão ninguém se aproximava.
Irritada com a descoberta, ordenou ao sapo que fosse embora.
O Sapo humildemente, disse:
– Está bem, se é o que deseja.
Algum tempo depois o sapo passou por onde estava a rosa, e se surpreendeu ao vê-la acabada, sem folhas nem pétalas.
Penalizado, disse:
– Que coisa horrível, o que aconteceu com você?
A Rosa respondeu:
– As formigas começaram a me atacar dia após dia, e agora nunca voltarei a ser bela como era antes.
O Sapo respondeu?
– Quando eu estava por aqui, comia todas as formigas que se aproximavam de ti. Por isso é que eras a Rosa mais bonita do jardim.”

Muitas pessoas desvalorizam os outros por acharem que são superiores, mais bonitas ou mais ricas.
Deus não fez ninguém para “sobrar” neste mundo.
Ninguém deve desvalorizar ninguém.
Na escola da vida, TODOS têm algo a aprender e/ou a ensinar.

05/01/2014 Posted by | Comportamento, Fábulas | 2 Comentários

Vencer o medo

cavaloDiz uma antiga fábula que um camundongo vivia angustiado com medo do gato.

Um mágico teve pena dele e o transformou em gato.

Mas aí ele ficou com medo do cão.

Por isso, o mágico o transformou em pantera.

Então, ele começou a temer os caçadores.

A esta altura o mágico desistiu. Transformou-o em camundongo novamente e disse:

“Nada que eu faça por você vai ajudá-lo, porque você tem apenas a coragem de um camundongo”.

É preciso coragem para romper com o projeto que nos é imposto. Mas saiba que coragem não é a ausência do medo, mas sim a capacidade de avançar, apesar do medo.

Caminhar para a frente e enfrentar as adversidades, vencendo os medos… É isto que devemos fazer. Não podemos nos derrotar, nos entregar por causa dos medos.

Senão, jamais chegaremos aos lugares que tanto almejamos em nossas vidas…

14/11/2013 Posted by | Fábulas | Deixe um comentário

O quanto você é dependente da sua vaquinha?

Texto-motivacional-e-a-vaca-foi-para-o-brejoA estória é sobre dois monges, um aprendiz e outro muito sábio, que foram visitar um sítio bem pobre no qual morava uma família. O monge mais velho falou para o aprendiz que ele deveria fazer o que fosse pedido sem questionar.

Chegando na humilde casa, notaram que a família era composta por um casal e três filhos. Eles estavam mal vestidos e claramente passavam necessidade. O monge mais velho então perguntou para o pai de família o que eles faziam para sobreviver.

Ele respondeu que tinham uma vaquinha que apesar de magrinha, dava o sustento necessário para irem tocando a vida. O monge agradeceu e se despediu da família.

Ao saírem da casa, o monge mais sábio falou para o aprendiz “Pegue a vaquinha e jogue-a do precipício.”

O aprendiz arregalou os olhos e tentou questionar que a vaquinha era o único meio de sobrevivência daquela humilde família. Porém, ao perceber o olhar do mestre, cumpriu a ordem a contragosto.

Depois de alguns anos, o monge mais novo ficou com remorso e decidiu voltar ao mesmo sítio para ver o que tinha acontecido com a família. Chegando lá, notou que o jardim estava florido e com vários animais, incluindo diversas vaquinhas.

Ao entrar na casa ele percebeu que tudo havia mudado, porém era a mesma família. Então ele questionou:
– Puxa, percebemos que a vida melhorou bastante para vocês, o que houve?

E o pai de família respondeu:
– Depois que vocês foram embora há alguns anos, a nossa vaquinha caiu do precipício e morreu. Achamos que seria o fim do mundo, mas tivemos que nos adaptar e descobrimos habilidades e competências que não conhecíamos em nós mesmos.

Aquele acidente nos forçou a buscar oportunidades e novas fontes de renda que não havíamos pensado enquanto estávamos satisfeitos com a vaquinha.

Moral da história:

Todos nós temos uma vaquinha, porém em alguns momentos é necessário matá-la para abrir espaço para novas oportunidades.

E você? Já matou sua vaquinha?

13/11/2013 Posted by | Fábulas, Motivação | Deixe um comentário

O Mestre da Paciência

pacienciaConta a lenda que um velho sábio, tido como mestre da paciência, era capaz de derrotar qualquer adversário.

Certa tarde, um homem conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu com a intenção de desafiar o mestre da paciência. O velho aceitou o desafio e o homem começou a insultá-lo.

Chegou a jogar algumas pedras em sua direção, cuspiu em sua direção e gritou todos os tipos de insultos.

Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível.

No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o homem se deu por vencido e retirou-se. Impressionados, os alunos perguntaram ao mestre como ele pudera suportar tanta indignidade. O mestre perguntou:

– Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?

– A quem tentou entregá-lo. Respondeu um dos discípulos.

– O mesmo vale para a inveja, a raiva e os insultos. Quando não aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo.

A sua paz interior depende exclusivamente de você.

As pessoas não podem lhe tirar a calma…..a não ser que você permita!!!!!!

09/11/2013 Posted by | Fábulas | Deixe um comentário

Porcos Espinhos

porcos espinhosDurante uma era glacial, muito remota, quando o Globo terrestre esteve coberto por densas camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio intenso e morreram indefesos, por não se adaptarem as condições do clima hostil.

Foi então que uma grande manada de porcos-espinhos, numa tentativa de se proteger e sobreviver, começou a se unir, a juntar-se mais e mais. Assim cada um podia sentir o calor do corpo do outro. E todos juntos, bem unidos, agasalhavam-se mutuamente, aqueciam-se, enfrentando por mais tempo aquele inverno tenebroso.

Porém, vida ingrata, os espinhos de cada um começaram a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que lhes forneciam mais calor, aquele calor vital, questão de vida ou morte. E afastaram-se, feridos, magoados, sofridos.

Dispersaram-se por não suportarem mais tempo os espinhos dos seus semelhantes. Doíam muito…….

Mas, essa não foi a melhor solução: afastados, separados, logo começaram a morrer congelados. Os que não morreram, voltaram a se aproximar, pouco a pouco, com jeito, com precauções, de tal forma que, unidos, cada qual conservava uma certa distância do outro, mínima, mas suficiente para conviver sem ferir, para sobreviver sem magoar, sem causar danos recíprocos. Assim, aprendendo a amar, resistiram a longa era glacial. Sobreviveram.

“Quanto mais nos ocupamos com a felicidade dos outros, maior passa a ser nosso senso de bem-estar. Cultivar um sentimento de proximidade e calor humano compassivo pelo outro, automaticamente coloca a nossa mente num estado de paz. Isto ajuda a remover quaisquer medos, preocupações ou inseguranças que possamos ter, e nos dá muita força para lutar com qualquer obstáculo que encontrarmos. Esta é a causa mais poderosa de sucesso na vida.”

Pigs Thorns

During an ice age, very remote, when the Globe was covered by thick layers of ice, many animals do not have withstood the intense cold and died defenseless, not to adapt to the harsh climate conditions.

Then a herd of porcupines in an attempt to protect itself and survive, began to unite, to join more and more. So each could feel the other’s body heat. And all together, and united, wrapping each other, warmed up, facing longer that winter darkness.

However, thankless life, the thorns of each began to hurt closest companions, precisely those who provided them with more heat, that heat vital matter of life or death. And turned away, wounded, hurt, suffered.

Dispersed they can´t tolerate any longer the spines of others. Hurt a lot …….

But that was not the best solution: apart, separated, soon began to freeze to death. Those who did not die, again approaching, slowly, with way, with precautions, so that, together, each kept a certain distance from each other, minimal but enough to coexist without hurting, to survive without hurting, harmlessly reciprocal. Thus, learning to love, endured the long ice age. Survived.

“The more we are concerned with the happiness of others, the greater becomes our sense of wellbeing. Cultivate a sense of closeness and warmth compassion for others automatically puts the mind in a state of peace. This helps remove any fears, worries or insecurities we may have and gives us a lot of strength to fight any obstacle we encounter. This is the most powerful of success in life. ”

19/08/2013 Posted by | Fábulas, Reflexões | Deixe um comentário

Lição da Borboleta

borboleta 1Um homem, certo dia, viu surgir uma pequena abertura num casulo.

Sentou-se perto do local onde o casulo se apoiava e ficou a observar o que iria acontecer, como é que a lagarta conseguiria sair por um orifício tão miúdo.

Mas logo lhe pareceu que ela havia parado de fazer qualquer progresso, como se tivesse feito todo o esforço possível e agora não conseguisse mais prosseguir.

Ele resolveu então ajuda-la: pegou uma tesoura e rompeu o restante do casulo. A borboleta pôde sair com toda a facilidade… mas seu corpo estava murcho; além disso, era pequena e tinha as asas amassadas.

O homem continuou a observá-la porque esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e se estendessem para serem capazes de suportar o corpo que iria se firmar a tempo.

Nada aconteceu!

Na verdade a borboleta passou o restante de sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas. Nunca foi capaz de voar.

O que o homem em sua gentileza e vontade de ajudar não compreendia era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura eram o modo pelo qual Deus fazia com que o fluido do corpo daquele pequenino inseto circulasse até suas asas para que ela ficasse pronta para voar assim que se livrasse daquele invólucro.

Algumas vezes o esforço é justamente aquilo de que precisamos em nossa vida.

Se Deus nos permitisse passar através da existência sem quaisquer obstáculos, Ele nos condenaria a uma vida atrofiada. Não iríamos ser tão fortes como poderíamos ter sido.

Nunca poderíamos alçar voo.

Butterfly’s Lesson

One man, one day, he saw a small opening appears in a cocoon.

Sat near where the cocoon rested and watched what would happen, how the caterpillar get out through a hole as a kid.

But soon it seemed that she had stopped making any progress, as if he had made every effort and now could no longer continue.

He then decided to help her: took scissors and broke the cocoon. The butterfly could come out with ease … but her body was limp, also was small and shriveled wings.

The man continued to watch it because he expected that, at any moment, the wings would enlarge and hold out to be able to support the body, which would establish the time.

Nothing happened!

In fact the butterfly spent the rest of its life crawling around with a withered body and shriveled wings. Never been able to fly.

What the man in his kindness and haste did not understand was that the restricting cocoon and the struggle required for the butterfly to get through the tiny opening was the way God meant that the body fluid to circulate that tiny insect wings to she was ready to fly so get rid of that shell.

Sometimes struggles are exactly what we need in our life.

If God allowed us to go through life without any obstacles, it would condemn us to a life stunted. Would not be as strong as we could have been.

Could never take flight.

30/07/2013 Posted by | Fábulas, Reflexões | Deixe um comentário

Ética

éticaCerto dia, a Ética desceu do Olimpo sob a forma de uma linda mulher e dirigiu-se a um reino poderoso.

Todos, ao vê-la a distância, ficavam maravilhados, mas à medida que se aproximava, fechavam-lhe as portas.

A Ética tentava comunicar-se, mas em vão: ninguém queria defrontar-se com ela. Bastava sua visão longínqua.

Finalmente, acabrunhada, ao retirar-se, encontrou a Verdade, que se espantou com a sua profunda tristeza:

– Que foi, minha irmã? O que tanto a magoou?

– Cheguei em missão de paz, mas ninguém quis receber-me – disse a Ética, não entendendo as razões porque foi rejeitada.

– Olhe-me de frente! – disse-lhe a Verdade.

– Ninguém, nem mesmo você, minha cara Ética, foi capaz de perceber: nós somos espelhos. As pessoas têm medo de se verem refletidas em nós.

Ethics

One day, the Ethics descended from Olympus in the form of a beautiful woman, and went to a mighty kingdom.

All, to see it from a distance, were astonished, but as we approached, closing the doors.

Ethics was trying to communicate, but in vain: no one wanted to face up to it. Enough their distant vision.

Finally, overwhelmed, to retire, found the Truth, who was astonished at his profound sadness:

– What is it, my sister? What hurt so much?

– I came in peace, but no one wanted to receive me – said the Ethics, not understanding the reasons why it was rejected.

– Look at me from the front! – Told him the truth.

– No one, not even you, my dear Ethics, was able to realize: we are mirrors. People are afraid to see themselves reflected in us.

12/06/2013 Posted by | Fábulas, Mensagens, Reflexões | Deixe um comentário