PrimeLife (Ano VI)

Viva Bem, Viva Mais, Viva com Estilo

Cora Coralina

Nesta data, em 1889, nascia Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins do Guimarães Peixoto Bretas (1889 – 1985), a grande  poetisa do Estado de Goiás. 

Em sua homenagem, um dos seus maravilhosos poemas.

Assim eu vejo a vida

A vida tem duas faces: 

Positiva e negativa

O passado foi duro

mas deixou o seu legado

Saber viver é a grande sabedoria

Que eu possa dignificar

Minha condição de mulher,

Aceitar suas limitações

E me fazer pedra de segurança

dos valores que vão desmoronando.

Nasci em tempos rudes

Aceitei contradições

lutas e pedras

como lições de vida

e delas me sirvo

Aprendi a viver.



Anúncios

20/08/2017 Posted by | Lembranças do Dia, Poesia | Deixe um comentário

Poucos são os que já amaram de verdade

imagessqyvroodAmigo, tá ai?

Preciso muito te dizer que o nosso problema com relacionamentos não é nosso problema.

Que nós não somos os errados da história.

Sim, assumo que somos esquisitamente carentes, mas isso faz parte da nossa essência. Carregamos o mundo todo nas costas ou dentro do peito, e no fim, só queremos que alguém o abrace ou, de repente, faça um curativo, tape os buracos com band-aid pra que ele continue batendo. Para represa não romper.

A gente se doa, se dói, se entrega e apanha.

Mas no fim, tudo que fazemos é importante. Ensinamos às pessoas o que é ter alguém que se importa, que ama, que liga no dia seguinte ou mais de uma vez no mesmo dia.

Ainda somos aquele tipo de gente que ouve música e chora, cara, a gente, ainda, chora. Sabe o quão raro isso é?

Neste mundo de estátuas de sal que vivemos, ainda queremos um único alguém para cuidar. Para amar. Para fazer do peito, ninho. Do coração, abrigo. Somos únicos. No meio de sete bilhões de pessoas, não nos rendemos à maioria que vive amores rasos. Fúteis. Que se vendem por status.

Amigo, pessoas como nós são tão escassas!

Só agora me deixei envenenar por esse egoísmo ridículo. Sabe, a gente aceita tanta coisa, pondera, elogia, critica, analisa, ressalta, discute, a gente entende tanta coisa, coisas que chegamos a condenar em nossos próprios reflexos.

Sabe o que é? Talvez tenhamos nos acostumados a ser o que somos e busquemos outros assim. Do nosso tipo. Sensíveis demais. Emocionais demais. Sentimentais demais. Racionais, com certeza, de menos.

Amigo, ainda tá ai?

Preciso muito te dizer que o nosso problema com relacionamentos não é nosso problema. E outra coisa – que nós não somos os errados.

Errados são todos os outros que se deixam contaminar pela dura e fria forma de viver. Que acabam rejeitando carinho porque sua liberdade precisa vir acompanhada da solidão.

Mas, para concluir o meu desabafo, meu querido, quero te dizer mais uma coisa — poucos são os que já amaram de verdade.

Poucos são os que já entraram no fogo cruzado do amor de peito aberto. Mas não os culpo.

Eles nunca souberam amar alguém porque, até antes das nossas aulas de companheirismo, nunca tinham vivido um romance.

Sendo assim, dou-me por satisfeito.

Eu mostrei para alguém o que é ser gostado de verdade.

19/08/2017 Posted by | Amor | Deixe um comentário

Ser você mesmo

Um dos maiores desafios da vida é ser você mesmo em mundo que tenta fazê-lo igual a todos os outros.

Seja você mesmo e a pessoas certas vão amar quem você é de verdade.

19/08/2017 Posted by | Reflexões | Deixe um comentário

Aprendi com DEUS

Aprendi com DEUS que os ventos fortes nos fazem atravessar desertos como sementes e voltamos como flores.

Aprendi com DEUS que palavras voam feito pássaros, mas atitudes silenciosas são como árvores, que se fincam no chão, criam raízes e dão frutos.

Aprendi com DEUS que até o céu tem seu tempo de azul e de cinza, de nuvens e de sol, de luz e de escuridão mas que tudo acontece no seu tempo.

Aprendi com DEUS que acordamos todas as manhãs por que Ele é quem nos desperta para novas batalhas, novas vitórias, novas vivências.

Aprendi com DEUS que nada por  acaso, que para tudo e todos existe uma resposta e que com paciência tudo se encaixa no seu devido lugar.

Aprendi com DEUS que não existe sorte, existe bênçãos, que somos frutos de um Amor sem igual e sem limites, e que a Fé nos faz abençoados todos os dias pelo zelo e misericórdia de DEUS

18/08/2017 Posted by | Espiritualidade | Deixe um comentário

Amor x Paciência

Às vezes não é o amor que acaba, e sim a paciência, essa que dizem que é santa, porque resiste a ventos e marés e sempre acaba dando mais do que deveria.

Agora, como não oferecer tudo por essa pessoa com quem você construiu um vínculo afetivo e vital e, inclusive, um projeto de vida?

Fica claro que está justificado ceder tantas vezes mais do que deveria, que se exerça o perdão hoje, amanhã e depois de amanhã, e que se espere um pouco mais com a esperança de que as coisas melhorem…

Há quem diga que a paciência é uma virtude, mas está claro que esta dimensão não pode ser aplicada a todos os âmbitos, e que além disso, deve ter certos limites.

Você não pode passar uma vida inteira sendo paciente, vendo os seus direitos ficarem vulneráveis, sendo que você precisa de reciprocidade, cuidado, afeto e reconhecimento.

O amor requer compromisso, vontade e paciência… mas até certo ponto

A paciência no amor não é a mesma coisa que passividade.

Assim como dissemos anteriormente, é comum definir o conceito de paciência como uma virtude. É a faculdade que as pessoas tem de postergar determinadas coisas que nos trazem satisfação, porque pensamos que essa espera, a longo prazo, trará coisas melhores.

Há quem se justifique usando essa palavra como uma dimensão que há que se assumir.

As coisas estão mal, mas o que se pode fazer? É preciso ter paciência. “O que eu posso fazer se ele é assim? Não posso mudá-lo (a), portanto é melhor ter paciência”…

É preciso não confundir paciência com passividade

Na verdade aí está a chave autêntica. Podemos ser pacientes, podemos fazer da paciência a nossa melhor virtude porque ela nos ajuda a analisar melhor a situação, a saber observar, a sermos reflexivos.

Contudo, todo esse processo interior deve nos permitir ver a realidade autêntica.

Uma pessoa paciente não tem motivo para ser passiva. A pessoa passiva faz da tolerância a sua forma de vida, permitindo abuso até experimentar na própria pele como a sua integridade fica vulnerável. E isso é algo que não se deve permitir jamais.

Os benefícios de ser paciente, mas não passivo

Na hora de estabelecer um relacionamento afetivo, a paciência é um pilar no dia a dia que devemos reconhecer. É claro que você não precisa gostar de cada aspecto, comportamento ou costume do seu companheiro, mas nem por isso você vai agir de forma impulsiva jogando o fato na cara e terminando o relacionamento.

Somos pacientes, respeitamos e toleramos porque amamos. Porque também sabemos que em todo casal existe um tempo para que as coisas se amorteçam, para que tudo se encaixe e por sua vez, compreendamos as necessidades de cada um.

Agora, a paciência requer por sua vez clareza emocional. É preciso saber onde estão os limites e compreender em que momento estamos ficando vulneráveis como pessoas. Como membros de um relacionamento afetivo.

Não é preciso ser passivo frente às exigências carregadas de egoísmos, frente à posição de se priorizar antes do outro. Não se deve fechar os olhos às carências, nem ser impassível à dor emocional que os vazios provocam, os desprezos ou os maus tratos sutis exercidos através de palavras envenenadas.

É aqui onde a paciência deve cair, puxar o seu véu para ver a verdade.

Quando a paciência termina… O que fazer?

Quando a paciência acaba, chega a decepção porque já somos conscientes da nossa realidade em todas as suas nuances. Em todos os seus contrastes. Agora, isto não significa que se deva terminar na hora esse relacionamento obrigatoriamente, se ainda se está amando a outra pessoa.

É momento de falar, de colocar às claras qual é a situação e dizer o que você sente e o que você precisa. Não se trata de evadir o problema. Se esse compromisso lhe interessa, você dará tudo que for possível para mantê-lo.

Agora, para que um relacionamento prospere ou cure essas carências que machucam, o esforço deve ser mútuo. Na hora em que um oferece mais e o outro só apresenta as suas desculpas, a paciência se perde completamente, e com ela, a decepção se transforma em um abismo.

18/08/2017 Posted by | Psicologia | Deixe um comentário

Madonna

Nesta data, nascia em Bay City (USA), Madonna Louise Veronica Ciccone, mais conhecida como Madonna.

Madonna é uma cantora, compositora, atriz, dançarina e produtora musical norte-americana de sucesso internacional.

Madonna já vendeu mais de 300 milhões de discos no mundo inteiro e é reconhecida como a Artista musical feminina mais bem-sucedida de todos os tempos pelo Guinness World Records.

15/08/2017 Posted by | Lembranças do Dia, Songbook | 2 Comentários

Consciência x Reputação

Um mestre do Oriente viu quando uma cobra estava morrendo queimada e decidiu tirá-la do fogo, mas quando o fez, a cobra o picou.

Pela reação de dor, o mestre o soltou e o animal caiu de novo no fogo e estava se queimando de novo.

O mestre tentou tirá-la novamente e novamente a cobra o picou.

Alguém que estava observando se aproximou do mestre e lhe disse:

— Desculpe-me, mas você é teimoso! Não entende que todas as vezes que tentar tirá-la do fogo ela irá picá-lo?

O mestre respondeu:

— A natureza da cobra é picar, e isto não vai mudar a minha, que é ajudar.

Então, com a ajuda de um pedaço de ferro o mestre tirou a cobra do fogo e salvou sua vida.

Não mude sua natureza se alguém te faz algum mal, não perca sua essência; apenas tome precauções.

Alguns perseguem a felicidade, outros a criam.

Preocupe-se mais com sua consciência do que com a sua reputação.

Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você.

E o que os outros pensam, não é problema nosso… é problema deles.

15/08/2017 Posted by | Reflexões | 2 Comentários

Não mendigue a atenção de ninguém, e muito menos o amor

Não mendigue o amor de quem não tem tempo para você, de quem só pensa em si mesmo. Nunca faça isso. Quem faz você se sentir invisível e insignificante diante de uma indiferença não te merece. Só te merece quem, com atenção, faz você se sentir importante e presente.

O amor deve ser demonstrado, mas nunca, jamais, deve ser mendigado. O fato de haver necessidade de mendigar amor é o mais fiel reflexo de uma injustiça emocional, de um desequilíbrio do sentimento que sustenta a relação.

Merece seu amor aquele que diz menos, mas faz mais. Não te merece quem só te procura quando precisa, mas sim quem está ao seu lado quando você precisa, e não só quando o interesse pessoal permite. Merece seu amor quem, sem esperar nada, leva esse sentimento dentro de si e faz você sentir que é importante.

Não existe falta de tempo, existe falta de interesse

Dizem que não existe falta de tempo, mas sim falta de interesse porque, quando realmente se quer, a madrugada se transforma em dia, terça-feira se transforma em sábado e um momento se transforma em oportunidade.

Também dizem que quem espera muito, se decepciona e sofre. Assim, temos que checar nossas expectativas e colocar na cabeça o ensinamento:não espere nada de ninguém, espere tudo de você mesmo”.

Quando percebemos o que os outros fazem ou dizem como mentiras, obviamente sentimos dor. Uma dor emocional que a nível cerebral se comporta da mesma forma que uma dor física.

Por que deveríamos ignorar a dor emocional então? Não podemos simplesmente deixar que o tempo cure, temos que trabalhar sobre a dor e extrair dela os ensinamentos cabíveis do mesmo modo que deixaríamos de tomar chocolate quente se descobríssemos que é ele a causa da nossa dor de estômago.

Isso é muito importante porque socialmente há a falsa crença de que o mal-estar psicológico é sinal de fraqueza e que, ao mesmo tempo, o tempo curará as feridas sem necessidade de desinfetá-las, nem de fazer curativos ou cuidados para evitar que sangrem.

Valorize-se, queira bem a si mesmo

Dedique tempo às pessoas que merecem e que fazem você se sentir bem. Não mendigue atenção, amizade, nem amor de ninguém. Quem quiser estar com você demonstrará sua intenção, cedo ou tarde.

Por isso, se você está vivendo uma situação de injustiça emocional angustiante, lembre-se:

– Não procure quem não o procura e não responde aos seus chamados. Não busque quem não sente sua falta. Não sinta a falta de quem não te busca. Não escreva a quem não te escreve, não se submeta ao castigo da indiferença que fica clara diante de mensagens ignoradas ou silêncios infundados.

– Não espere quem não te espera, valorize-se e deixe de mendigar e de implorar por amor. Porque, como dissemos, o amor deve ser demonstrado e sentido, mas jamais implorado. Guarde seu carinho para quem te quer e te compreende sem qualquer julgamento.

– E, sobretudo, não se esqueça do valor do seu sorriso diante do espelho, ame a si mesmo e valorize-se por tudo o que você é, e não pelo que alguém que não te merece faz você pensar de si mesmo. Ame-se e compreenda que o fato de que alguém o trata mal não quer dizer que você não deva fazer o impossível para rodear-se de pessoas que te fazem o bem e te querem bem.

14/08/2017 Posted by | Comportamento, Psicologia | Deixe um comentário

Dia da Consciência Nacional

DIA DA CONSCIÊNCIA NACIONAL

AME-O OU DEIXE-O

11/08/2017 Posted by | Lembranças do Dia | Deixe um comentário

As pessoas egoístas são incapazes de amar

É comum termos a ideia arraigada de que as pessoas egoístas são narcisistas. Acreditamos que estas pessoas apenas se preocupam com elas mesmas, que se valorizam e se amam acima de tudo. No entanto, a realidade é bem diferente: as pessoas egoístas não têm apenas dificuldade de amar os outros, mas também de amar a si mesmas.

Entendemos que uma pessoa egoísta é aquela que só se interessa por si mesma. Ela carece de respeito e de interesse pelas necessidades dos outros, se relaciona com as pessoas principalmente por sua utilidade e pelos benefícios que podem extrair delas.

Estabelecem, portanto, relacionamentos instrumentais para cobrir as suas necessidades, sem considerar a vertente emocional das pessoas. Isto pode acontecer, por sua vez, pelo temor de se envolver demais nos relacionamentos e sair machucado. Assim, na verdade, o estão fazendo é fugir do amor.

A pessoa egoísta não obtém satisfação em dar; a sua preocupação está basicamente no que vai receber em troca. Pode dar a impressão de que toda esta energia que foca em si mesma é decorrente do amor próprio que sente. Contudo, todas essas atitudes implicam uma grande incapacidade de amar a si mesmo.

“Não enxerga mais do que a si mesma; julga os outros segundo a sua utilidade; é basicamente incapaz de amar. Isso não prova que a preocupação com os outros e consigo mesmo são alternativas inevitáveis? Isso seria verdade se o egoísmo e o amor próprio fossem idênticos, mas tal suposição é precisamente a falácia que levou a tantas conclusões errôneas a respeito dos nossos problemas.”-Erich Fromm-

As pessoas egoístas não possuem amor próprio

É comum que as pessoas confundam amor próprio com o fato de ser egoísta. A pessoa que ama a si mesma está longe de parecer uma pessoa egoísta, já que existem diferenças notórias que denotam uma preocupação real tanto consigo mesmo quanto com as pessoas que a rodeiam.

Quando mergulhamos no próprio conhecimento de nós mesmos, iniciamos, por sua vez, uma melhor compreensão dos outros. O autoconhecimento é a única forma de ser consciente das nossas próprias limitações, da falta de autoaceitação e de todos os medos subjacentes ao próprio comportamento.

“O egoísmo e o amor por si mesmo, longe de serem idênticos, são realmente opostos. O indivíduo egoísta não se ama muito, e sim muito pouco; na verdade, se odeia. Tal falta de carinho e cuidado nada mais é do que a expressão da sua falta de produtividade, o deixa vazio e frustrado. Necessariamente se sente infeliz e ansiosamente preocupado por arrancar da vida as satisfações que ele se impede de obter.-Erich Fromm-

Amar-se para poder amar

É fundamental amar primeiro a si mesmo para então poder amar os outros. Este fato é primordial e está muito longe do que é o egoísmo. Atender e ouvir as nossas próprias necessidades, dando-lhes o valor que merecem, supõe um respeito consigo mesmo, imprescindível para aprender a se amar.

Considerar as próprias emoções, expressando-as e aceitando-as, nos transforma em pessoas mais autênticas com facilidade para nos relacionarmos a partir da intimidade e da confiança, e não através do medo de ser ferido, que só termina em relacionamentos superficiais, onde vamos agregando camadas que nos impedem de ver a nossa própria capacidade de amar.

“A ideia expressada no versículo bíblico ‘Ame o próximo como a si mesmo’ implica que o respeito pela própria integridade e unicidade, o amor e a compreensão de si mesmo, não podem se separar do respeito, o amor e a compreensão do outro indivíduo. O amor para consigo mesmo está inseparavelmente ligado ao amor por qualquer outro ser.”-Erich Fromm-

Enganamos a nós mesmos achando que amamos

Do mesmo jeito que a pessoa que é egoísta é incapaz de amar, isso acontece também com a pessoa que tem uma grande preocupação com os outros, e se dedica completamente a aqueles que a rodeiam, desconectando-se de si mesma. Desta forma, acha que sente tanto amor que é capaz de renunciar às suas necessidades.

Este exemplo é fácil de enxergar nas mães superprotetoras e nas pessoas que se esquecem de si mesmas para prestar atenção aos outros, e estar à sua disposição para quando precisarem. São pessoas que se derramam nas necessidades alheias como se fossem as suas próprias.

Esta forma de amar pode ser confundida com pessoas muito boas, que estão dispostas a se entregarem desinteressadamente, e amam ao próximo inclusive mais do que a si mesmas. Esta conclusão é igualmente enganosa à de que o egoísta ama muito a si mesmo. Ambas as formas de amar são um autoengano no qual se manifesta uma compensação exagerada pela sua incapacidade de amar.

“É mais fácil compreender o egoísmo comparando-o com a ávida preocupação pelos outros, como a que encontramos, por exemplo, em uma mãe superprotetora. Embora ela ache conscientemente que é extremamente carinhosa com seu filho, na verdade possui uma hostilidade profundamente reprimida contra o objeto das suas preocupações. Os seus cuidados exagerados não obedecem a um amor excessivo para com a criança, e sim ao fato de que ela precisa compensar a sua total incapacidade de amá-lo.”-Erich Fromm-

Como podemos comprovar nos exemplos das pessoas egoístas e nas pessoas que não se preocupam consigo mesmas, estas são duas formas nas quais não existe o amor por si mesmo, portanto, não pode existir o amor pelas outras pessoas.

“Disto deduzimos que a minha própria pessoa deve ser um objeto do meu amor, do mesmo jeito que é a outra pessoa. A afirmação da vida, felicidade, crescimento e liberdade própria estão arraigados na própria capacidade de amar, isto é, no cuidado, no respeito, na responsabilidade e no conhecimento. Se um indivíduo é capaz de amar produtivamente, também ama a si mesmo; se só ama os outros, não pode amar de jeito algum.”-Erich Fromm

11/08/2017 Posted by | Psicologia | Deixe um comentário